Profissões em Filme

Revista Mercado Edição 41 - abril 2011

O Discurso do Rei

POR Kelson Venâncio

Sinopse

George VI (Colin Firth), conhecido como Berty, assume, a contragosto, o trono de Rei da Inglaterra quando seu irmão, Edward (Guy Pearce), abdica do posto, em 1936. Despreparado, o novo rei pede o auxílio de um especialista em discursos, Lionel Logue (Geoffrey Rush), para superar seu nervosismo e gagueira. Com o tempo, tornam-se amigos.

.

Crítica

O que leva uma produção baseada em fatos reais a ser indicada a 12 Oscars, vencer 4 deles, inclusive os mais cobiçados, de melhor ator, melhor direção e melhor filme, e ainda desbancar ótimos concorrentes, como os meus favoritos, A Rede Social e A Origem, ou até mesmo os ótimos 127 Horas e Cisne Negro?
O Discurso do Rei é, sim, um bom filme, com muitos ingredientes para ter estado entre os 10 indicados. Mas, em minha opinião, não é a melhor produção realizada no ano passado (2010).
O filme tem muitas vantagens. Uma delas é o elenco. Realmente o melhor ator do ano é Collin Firth, indiscutivelmente (apesar de os outros indicados serem merecedores também). Com absoluta certeza esse foi o melhor trabalho da carreira dele, pois interpretou um papel difícil por causa da gagueira do personagem e se saiu muito bem. Além dele, contracenar com duas “feras” do cinema é outro ponto muito positivo. Helena Bonham Carter e Geoffrey Rush estão impecáveis nesta produção, e por isso ambos foram indicados aos prêmios de coadjuvantes, apesar de não terem levado a estatueta para casa. Mas tem desvantagens também. O roteiro é agradável, mas “quadrado”, muito certinho, sem nada demais para que o público se deslumbre com a história que acabou de ver. Parece que falta tempero no que está sendo contado. E já que é baseado em fatos reais, acaba sendo muito previsível. Os diálogos são dinâmicos e envolventes, mas acabam se tornando repetitivos.
A direção de arte é outro ponto forte do longa. Os cenários, a fotografia e o figurino são muito bons, mas já vimos coisas melhores no cinema. Já a direção acaba sendo apagada. Tom Hopper, apesar de ter ganhado o Oscar nessa categoria, não faz nada além do trivial e acaba deixando a responsabilidade nas mãos do ótimo elenco que dirige (ainda bem que o elenco é bom). A direção de Hopper não traz nenhum tipo de surpresa e juntamente com o roteiro, todos os elementos do filme são passados prontinhos ao espectador sem que ele precise pensar, discutir ou questionar o que está assistindo.

Ficha Técnica

Filme: Discurso do Rei (The Kings Speech)
Gênero: Drama
Duração: 118 min.
Direção: Tom Hooper
Roteiro: David Seidler
Censura: 12 anos
Ano: 2010 / Inglaterra
Elenco: Colin Firth, Helena Bonham Carter, Geoffrey Rush, Michael Gambon…

Nota 7


Kelson Venâncio – jornalista e diretor do Cinema e Vídeo