Meio Ambiente

Revista Mercado Edição 34 - setembro 2010

Falta de pneus aumenta a importância da reforma

O setor de transportes, que já dependia da reforma de pneus para reduzir custos, agora precisa do serviço para, literalmente, continuar andando

Para o setor de transportes, os pneus são muito mais do que os componentes responsáveis pelo contato do veículo com o pavimento, pela manutenção da trajetória nas retas e curvas e pela frenagem nas mais diversas condições. Eles significam o segundo maior custo dos transportadores de carga, atrás somente do combustível. Diante disso, a reforma dos pneus, além de sua inegável importância ambiental, contribui para o desempenho do setor.
“Pneus reformados são mais baratos e reúnem as mesmas características de segurança e desempenho dos novos. Para se ter uma ideia, o custo do quilômetro rodado pode ser reduzido em mais de 50% com o uso de pneus reformados”, garante Eduardo Sacco, gerente de marketing do Grupo Vipal, que integra a empresa Borrachas Vipal, fundada em 1973 na cidade de Nova Prata (RS) e uma das mais importantes fabricantes de produtos para reforma e reparo de pneus e câmaras de ar do país.
Mas, hoje, além das questões ambientais e de redução dos custos, a reforma é uma importante aliada para que o setor de transportes não sofra com a falta de pneus que atingiu o mercado brasileiro.
Só no primeiro semestre deste ano, a venda de caminhões cresceu mais de 50%. Como o atendimento às montadoras tem prioridade em relação ao mercado de reposição, a escassez de pneus atinge transportadores de todo o Brasil.

Melhor reformar: a queima de pneus velhos causa sérios danos à natureza e agride diretamente a camada de ozônio que protege o planeta

Os benefícios da reforma de pneus para o meio ambiente são inquestionáveis. Cada pneu reformado economiza, em média, 57 litros de petróleo. “Ao levarmos em consideração que o petróleo é um recurso natural caro e não renovável, eis aqui mais um grande benefício da nossa atividade: economizar o chamado ouro preto”, alerta Eduardo Sacco.
Segundo ele, o mesmo vale para a redução do consumo de energia elétrica. A reforma proporciona uma economia de 80% de energia e matéria-prima em relação à produção de pneus novos.

Para o setor de transportes, os pneus são muito mais do que os componentes responsáveis pelo contato do veículo com o pavimento, pela manutenção da trajetória nas retas e curvas e pela frenagem nas mais diversas condições. Eles significam o segundo maior custo dos transportadores de carga, atrás somente do combustível. Diante disso, a reforma dos pneus, além de sua inegável importância ambiental, contribui para o desempenho do setor.
“Pneus reformados são mais baratos e reúnem as mesmas características de segurança e desempenho dos novos. Para se ter uma ideia, o custo do quilômetro rodado pode ser reduzido em mais de 50% com o uso de pneus reformados”, garante Eduardo Sacco, gerente de marketing do Grupo Vipal, que integra a empresa Borrachas Vipal, fundada em 1973 na cidade de Nova Prata (RS) e uma das mais importantes fabricantes de produtos para reforma e reparo de pneus e câmaras de ar do país.
Mas, hoje, além das questões ambientais e de redução dos custos, a reforma é uma importante aliada para que o setor de transportes não sofra com a falta de pneus que atingiu o mercado brasileiro.