Legislação

Revista Mercado Edição 34 - setembro 2010

Mais segurança no trânsito para as crianças

POR Elaine Dias

A partir de 1º de setembro, quem transportar crianças com menos de 7 anos e meio em veículos sem a cadeirinha vai ser multado. E dessa faixa etária até os 10 anos é obrigatório o cinto de segurança no banco traseiro. O motorista que desobedecer à lei, considerada uma infração gravíssima, perde 7 pontos na carteira de habilitação e terá que pagar multa no valor de R$ 191,54.
Ao contrário do que muitos pensam, a cadeirinha não serve apenas para dar mais conforto às crianças, elas é um dispositivo de segurança. Por isso é fundamental escolher um modelo compatível com a altura e o peso do seu filho. Para garantir a eficiência do dispositivo, é preciso seguir atentamente as instruções que o acompanham. O cinto de segurança da cadeirinha tem de ficar posicionado sobre os ombros e ossos da bacia da criança. Dessa forma a garotada estará mais segura caso ocorra uma freada brusca ou um acidente. A regra vale para uma longa viagem ou uma ida à esquina.

O médico Pedro Henrique Mendes, especialista do INTO: “O uso obrigatório desse tipo de dispositivo pode reduzir em 70% o número dos casos de lesões em crianças passageiras em veículos”

Além das sanções previstas em lei, mais graves ainda são as consequências quando não se faz uso desse dispositivo de segurança nos veículos para o transporte de crianças. Sobre a importância do uso das cadeirinhas, o chefe do Centro de Ortopedia da Criança e do Adolescente do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), Pedro Henrique Mendes, destaca estatísticas de órgãos como o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), segundo as quais cerca de 2 mil crianças e adolescentes com idade inferior a 17 anos morrem anualmente em acidentes automobilísticos no Brasil. Cerca de 37 mil sofrem lesões que muitas vezes trazem consequências para o resto da vida. “O uso obrigatório, desde 1º de setembro, desse dispositivo pode reduzir em 70% o número dos casos de lesões em crianças passageiras em veículos”, alerta o médico.
Ele acrescenta que muitos pais têm a falsa impressão de que segurar a criança no colo, o abraço, evita lesões em casos de acidentes, o que não condiz com a realidade. “Já foi comprovado que durante o impacto, a pequenas velocidades, de 50 a 60 quilômetros, o indivíduo não tem força para sustentar a criança no colo. O adulto geralmente solta a criança e muitas vezes cai por sobre ela. Assim, ela é traumatizada duas vezes”, observa.

Maneira correta de colocação do dispositivo

Até um ano de idade, crianças devem usar o dispositivo chamado de bebê conforto – fixado no centro do banco traseiro. Após a fixação e a colocação do cinto de segurança, é preciso certificar-se de que a cadeirinha está bem presa, de modo que não se mova para os lados mais de 2 centímetros. O bebê conforto funciona como uma concha protetora para a criança, desde que o pescoço, o tronco e a cabeça estejam alinhados.
Apesar de tudo, alguns pais ainda são resistentes ao uso do equipamento por medo de lesões à coluna do bebê, conforme lembra o médico Pedro Henrique Mendes. Sobre isso, ele diz que desde que seja adquirida uma cadeira em conformidade com as determinações do Inmetro, a criança pode e deve sair da maternidade já no bebê conforto. Cabe aos pais protegerem as crianças enquanto as transportam. “No site do Ministério da Saúde e através de outras fontes, como a internet e as instruções do próprio produto, o pai pode encontrar os dados sobre como instalar o dispositivo e posicionar adequadamente seu filho. Lembrando sempre que o importante é alinhar pescoço, cabeça e tronco”, recomenda o médico.
Vale a pena lembrar ainda os outros dispositivos, além do bebê conforto, usuais para o transporte de crianças, que são: a cadeirinha, para crianças de 1 a 4 anos; o assento de elevação, de 4 a 7 anos e meio; e acima dessa idade o próprio cinto de segurança do automóvel.

do nascimento até 13 kg ou 1 ano de idade, no bebê conforto, presa de costas para o movimento de 1 a 4 anos (13 a 18 Kg) em cadeirinha de segurança de 4 a 7 anos e meio em assento de elevação ou “booster” *acima de 7 anos e meio com cinto de segurança
*Recomenda-se: antes de utilizar o cinto de segurança, observe o peso e altura do seu filho, pois o cinto de segurança do veículo é projetado para um adulto com altura de 1,45m e peso mínimo de 36kg.
Observe as orientações do fabricante e use cadeiras certificadas pelo INMETRO.