Editorial

Revista Mercado Edição 36 - novembro 2010

Editorial

POR Evaldo Pighini

Heróis da Sustentabilidade

Resultados do estudo “Futuro Sustentável” feito este ano mostrou que os brasileiros estão entre os consumidores que mais recomendam uns aos outros produtos de empresas com iniciativas sustentáveis, 48% estão dispostos a pagar 10% mais pelo produto sustentável e 70% associam o tema “Sustentabilidade” aos atributos integridade, saúde, oportunidade e futuro. Esse levantamento foi conduzido aqui no Brasil pelas agências de publicidade Z+, Media Contacts e Mobext, que entrevistaram 2.532 consumidores. Essas agências compõem o grupo francês Havas, que realizou a pesquisa em dez países baseada em dados coletados junto a 25 mil consumidores. O objetivo foi mostrar a percepção do consumidor em relação aos diversos parâmetros que cercam a questão da sustentabilidade, tais como os usos que as empresas fazem do capital natural, humano e social.
Assim, deixando de lado o resultado da pesquisa nos outros países, se considerarmos somente os dados do que foi apurado no Brasil, estamos num país onde é um bom negócio para as empresas investir em sustentabilidade, além de quê, o planeta agradece.
Em síntese, os desafios do desenvolvimento sustentável têm levado muitos empresários a investirem em recursos e ações que refletem diretamente na maneira como suas empresas são vistas e agregam, se bem direcionadas, mais valor à marca.
Mas, apesar disso, de ser lucrativo e diante de tantas necessidades e catástrofes ambientais no planeta, porque existem ainda companhias que não praticam a sustentabilidade? Seria por falta de conhecimento, de incentivo ou de exemplo? Cabe lembrar aqui a grande exposição do assunto nos meios de comunicação e os inúmeros debates em torno de problemas ligados diretamente ao tema, tais como, aquecimento global, destruição da biodiversidade, desmatamento da Amazônia, crescimento desordenado das cidades, consumismo exagerado ou escassez de recursos hídricos. Portanto, por falta de conhecimento não deve ser. Incentivo? Também não, pois, basta lembrar os resultados do estudo “Futuro Sustentável”, que mencionei anteriormente.
Exemplo, creio que também não. Mas se for, nesse caso, chamo a atenção para a matéria de capa desta edição que aborda o Prêmio Empresário Herói, que tem como objetivo reconhecer e dar destaque às melhores práticas de sustentabilidade realizadas por empresários de Uberlândia e região. Aquela sustentabilidade capaz de dar conta das necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias necessidades.
O Prémio Empresário Herói foi criado há dois anos por iniciativa da Fiemg Regional Vale do Paranaíba com apoio do Centro Industrial e Integração de Negócios do Triângulo e Alto Paranaíba (Cintap), do Eco Instituto, dos Sindicatos Patronais da Indústria e da Revista MERCADO. Neste ano, a comissão julgadora do prêmio analisou o desempenho de 56 companhias da região e homenageou, neste mês, as melhores de 2010.
Então, se for por falta de exemplo, que as empresários que ainda não praticam a sustentabilidade mirem-se nos exemplos das empresas ganhadoras do Prêmio Empresário Herói neste ano que são Cargill, Uberlândia Refrescos, Sankhya, Efrem, e Iso Olhos.
Os empresários que estão à frente dessas empresas são exemplos a serem seguidos de como investir em sustentabilidade – econômica, social, ambiental e cultural, em posicionamento institucional e em atuação no mercado regional.

Boa leitura!

Evaldo Pighini
Editor