Editorial

Revista Mercado Edição 50 - abril 2012

Editorial

Shoppings em Uberlândia

Uberlândia vive atualmente uma realidade que reporta a pujança de sua economia bem como seu atual estágio de desenvolvimento, o que faz dela um centro urbano muito atraente para novos e grandes investimentos em nível nacional. É só observar a quantas anda o mercado de shopping centers na cidade para perceber isso. Há de se considerar ainda os centros comerciais já construídos e outros tantos que estão em construção, que se podem denominar de pequenos shoppings.
Mas, voltando ao assunto shopping centers, os grandes, hoje Uberlândia já conta com empreendimentos do setor na região, e um dos maiores do país. Eu me refiro ao Center Shopping. Inaugurado em 1992, pelo Grupo Arcon – um gigante do setor atacadista -, atualmente conta com mais de 300 operações entre lojas e quiosques, oito salas de cinema, 52 mil m² de ABL e um fluxo de, aproximadamente, 30 mil visitantes por mês. Possui três estacionamentos, sendo dois cobertos, com disponibilidade para 4.100 vagas. É um complexo multiuso que envolve compras, lazer, negócios e hospedagem.
Além do Center Shopping, agora no final de março será inaugurado o Uberlândia Shopping, na zona sul da cidade, pelo grupo Sonae Sierra Brasil. É um empreendimento que já nasce grande. Localizado em uma área de 45,3 mil m², o Uberlândia Shopping terá 201 lojas, seis delas âncoras: Walmart e Leroy Merlin – essas duas já em funcionamento -, Centauro (materiais esportivos), BMart (brinquedos), Memove (moda) e Renner (moda). Além disso, o complexo contará com cinco salas de cinema da rede Cinemark. O custo da obra deverá ultrapassar os R$ 163 milhões previstos inicialmente.
E vem mais por aí. Já foi anunciado por empresários do grupo 5R Shopping Centers a construção do Praça Uberlândia Shopping – o terceiro grande investimento no setor na cidade. Orçado em R$ 200 milhões, o empreendimento será construído próximo ao aeroporto, na zona leste. Com inauguração anunciada para o segundo semestre de 2013, no mais tardar início de 2014, o Praça Uberlândia será erguido em uma área de 140 mil m² e terá capacidade para cerca de 200 lojas – quatro âncoras e cinco semiâncoras – e mais um hipermercado, oito salas de cinemas stadium, 1.800 vagas de estacionamento, além de hotel, universidade e home center.
Só como registro, vale lembrar que o primeiro shopping center instalado no Brasil foi o Iguatemi, em 1966, em São Paulo. Em Uberlândia, projetos semelhantes, mas menores, começaram a surgir antes, na década de 1960, com a construção do Shopping Center Norte e do Shopping Center Sul, ambos no setor central da cidade, nos bairros Martins e Nossa Senhora Aparecida, respectivamente. Esses dois centros comerciais eram predominantemente voltados para a comercialização, sobretudo de confecções, calçados, artigos de primeira necessidade, como medicamentos, alimentação e estética, sendo caracterizados mais como galerias comerciais.
Mas de fato e por extensão, o primeiro Shopping Center de Uberlândia, o Ubershopping, veio a ser construído e inaugurado em 1987, na zona sul da cidade. Contudo, por causa de o local ainda contar com grandes vazios urbanos e, por isso, predominar na região a falta de elementos imprescindíveis às atividades comerciais, como acessibilidade e aglomeração, materializadas em fluxos de pessoas e veículos e em equipamentos urbanos, o empreendimento não durou muito e pouco a pouco as lojas foram fechando (mas essa é outra história).
Mais tarde, em 1992, como já foi dito, aconteceu a inauguração do Center Shopping, só que em uma área muito mais desenvolvida, a zona leste, próxima ao Campus Santa Mônica da Universidade Federal de Uberlândia, e na junção de A duas das mais importantes vias urbanas da cidade: as avenidas Rondon Pacheco e João Naves de Ávila. Por isso, diferente do Ubershopping, o Center Shopping experimentou um grande desenvolvimento, tendo já sido reformado e ampliado por três vezes (mas essa é também outra história). Depois disso, vieram ainda as construções de mais dois shoppings. O primeiro, o Griff Shopping, foi inaugurado em 1993, na Avenida Rondon Pacheco, na altura do Bairro Saraiva, um empreendimento voltado mais para confecções e acessórios, portanto, constituindo-se mais num centro de compras de pequenos atacadistas da moda regional. O segundo, o Pratic Center, foi construído em 1997, no mesmo prédio que abriga o terminal central de integração de transporte urbano de Uberlândia, região central, por ocasião da implantação do Sistema Integrado de Transporte, o SIT, pela construtora Andrade Gutierrez e o Grupo Algar.
Mas é o momento atual que assegura e reflete bem a expansão do mercado de shopping centers no Brasil e, em Uberlândia, o que não poderia ser diferente, dado à franca expansão econômica e social da cidade. Os centros comerciais brasileiros atingiram, no ano passado, o valor de 10.163.049 m² de Área Bruta Comercial (ABC), que abrange tanto a área locável quanto as áreas vendidas. Esse volume corresponde a 53 m² para cada 1.000 habitantes. A região Sudeste representa 5.785.000 m² de ABC do país.
E o futuro deve ser ainda mais promissor. Segundo estimativas do Cadastro de Shopping Centers, base de dados do IBOPE Inteligência, o crescimento domiciliar e da renda real, aliado à baixa taxa de desemprego, vão impulsionar ainda mais o mercado de shopping centers no Brasil e registrar um aumento de 13,5% em 2012 em relação ao ano passado. A previsão é encerrar o ano com 470 shoppings e aproximadamente 11 mil novas lojas. Para 2013, a expectativa é terminar o ano com 499 unidades.
Só como informação, hoje a maior parcela dos consumidores de shoppings ainda pertence às classes A e B, que absorvem acima de 50% do consumo na maior parte dos grupos pesquisados pelo Pyxis Consumo, ferramenta de dimensionamento de mercado do IBOPE Inteligência. Porém, como afirmou o diretor de geonegócios da empresa, Antônio Carlos Ruótolo, a classe C será importante consumidora quando seu padrão for elevado para C1 e B2, já que o foco do consumo será a qualidade de vida e não apenas produtos básicos. Atualmente, a classe C representa 38,7% do consumo desses grupos.
Portanto, o mercado de shopping centers promete ser ainda mais promissor, principalmente para uma cidade como Uberlândia, que vive um estado de franca expansão nos mais variados setores.

É esperar e ver…

Evaldo Pighini
Editor