Comportamento

Revista Mercado Edição 35 - outubro 2010

Vários estilos e uma só festa

POR Renata Tavares e Natália Nascimento

Cláudia Leite foi uma das principais estrelas do Triângulo Music 2010

Das botas countries às calças masculinas coloridas e penteados exóticos. A sexta edição do festival Triângulo Music, realizada em Uberlândia, trouxe para o palco das apresentações os mais variados tipos de sons, desde a música sertaneja, passando pelo pop rock e happy rock até o ritmo baiano, agitando o público como nunca e fazendo deste evento o mais eclético da história do festival. Em consequência, toda essa diversidade de estilos musicais só poderia resultar em atrair pessoas dos mais diferentes estilos e gostos, distribuídas entre os mais de 40 mil amantes de festivais que estiveram presentes ao estádio Parque do Sabiá, local de realização do evento. Um cenário que se encaixou bem no lema do Triângulo Music deste ano: “Todas as Tribos. Uma só voz”.

A irreverente Restart identificou bem a cara do que é o festival: “Todas as Tribos”

Foram dois dias de muita música e agitação, reunindo grandes nomes e atrações quase desconhecidas da música, entre os quais: Cláudia Leite, Hori, João Bosco e Vinícius, Jota Quest, Ultrasom, Ivete Sangalo, Victor e Léo, NX Zero, Restart e Perlla.
No dia da abertura do Triângulo Music, um pouco antes das 22h, a banda de happy rock Restart – de estilo despojado, que combina cores extravagantes – subiu ao palco principal do festival. Nesse instante, o estudante Elias dos Santos, 24 anos, vestido com calça jeans verde, camiseta branca e cabelo estilizado – como os integrantes da banda – foi para a frente do palco. “Eu amo a banda, essa foi uma oportunidade de assisti-los de perto. Tenho 24 anos, mas não tem idade certa para ser fã de Restart. Até minha mãe gosta.”

Elias dos Santos, fã declarado da Restart

Ao som de Jota Quest, também no primeiro dia, a analista de focalização Daniele Loyola esperava os sertanejos João Bosco e Vinícius subirem ao palco. “É o que eu gosto, mas essa edição do festival superou as expectativas. Gostei da programação e de ver tanta gente diferente em um só lugar”, disse.

Daniele Loyola, amante dos sertanejos João Bosco e Vinícius

Além das atrações no palco principal, o público também pôde optar pela tenda eletrônica. Foi o que o estudante Joaquim Gabriel da Silva, de 18 anos, fez. “Vim para curtir o Nx Zero, como ele já se apresentou, eu vim aproveitar a tenda.”

Joaquim Gabriel, com o NX Zero onde ele estiver

Triângulo Music

A banda Jota Quest, que esteve presente em cinco das seis edições do Triângulo Music, resumiu em uma frase o carinho pelo festival e pela cidade. “Estamos sempre aqui e gostamos do evento”, disse o vocalista da banda, Rogério Flausino.

Rogério Flausino, que com o Jota Quest esteve presente em cinco das seis edições do festival

Uma grande estrutura para um grande evento

E não é para menos, além das mais de 40 mil pessoas presentes ao evento deste ano, número que foi comum em edições anteriores, a estrutura do Triângulo Music também impressiona e agrada qualquer artista.
Em uma área de 10.625 metros quadrados foram utilizadas mais de 500 toneladas de materiais para adaptar o espaço às necessidades do evento, 500 mil watts de som e 1,5 mega watt de iluminação. O Triângulo Music 2010 também trouxe, mais uma vez, material de última tecnologia para a cobertura do gramado. O piso easyfloor, feito de um material mais prático e seguro, semelhante ao PVC, cobriu nove mil metros quadrados do gramado do Estádio do Parque do Sabiá.
Com 17m de largura, 10m de altura e 13m de profundidade, os equipamentos usados no palco eram os mais modernos em tecnologia, utilizados também em outros grandes eventos do Brasil e do mundo. “Todos os anos fazemos uma avaliação do ano anterior e em cima dela procuramos sempre melhorar, sofisticando cada vez mais o festival e proporcionando maior conforto para o público. A palavra certa para o Triângulo Music é evolução”, conta o arquiteto responsável pela montagem do festival, Giuseppe Mazonni. Já com relação ao consumo, segundo a coordenação do evento, as vendas dos setores de alimentação e bebidas ultrapassaram as expectativas. Foram consumidas 144 mil latas de cervejas, 48 mil latas de refrigerantes, 4.500 garrafas pet de 2 litros de refrigerante, 5 mil litros de suco, 7 mil sanduíches, 1.500 kg de sorvete e 6 mil salgados, fora os buffets que atenderam os camarins e camarotes empresariais e All Inclusive.

Emprego e renda

Além da festa em si, o Triângulo Music movimenta ainda a economia e emprega milhares de pessoas. O festival gerou cerca de 1.500 empregos diretos e indiretos em vários setores. Hotéis e restaurantes também estiveram cheios no fim de semana do evento. Durante o Triângulo Music 2010, a área de segurança trabalhou com uma equipe de 961 agentes entre policiais militares e civis, bombeiros, brigadistas, juizado de menores e seguranças particulares (450). Além da equipe de segurança, também trabalharam no evento cerca de 130 pessoas na coleta seletiva, 60 na limpeza do estádio e 550 na distribuição de bebidas. Fora o equipamento de som e a estrutura do evento, todas as pessoas que trabalharam para o festival são de Uberlândia, o que agrega mais renda à economia da cidade.