Comunicação

Revista Mercado Edição 50 - abril 2012

Vai contratar uma assessoria de imprensa?!

Da Redação com Agência

Conquistar credibilidade e boa visibilidade faz parte dos anseios de toda empresa. Para isso, contratar uma assessoria de imprensa profissional pode ser a aposta certa, mas é preciso ficar atento para que o barato não saia caro

Os porta-vozes da organização são fontes de informações recorrentes na mídia, portanto, a assistência e preparação dessas pessoas é fundamental, o que se dá por meio do Mídia Training: uma das atribuições da assessoria de imprensa e que deve ser bem feita

Cerca de 50% do faturamento de uma assessoria de imprensa são investidos em mão de obra especializada. Isso porque manter uma equipe multidisciplinar, formada por jornalistas experientes, com profissionais de relações públicas, marketing e artes visuais competentes faz toda a diferença na qualidade do serviço oferecido.
Ao contratar uma assessoria de imprensa, tenha em mente que você irá alocar prestadores de serviço em prol da visibilidade de sua empresa. Esse é um tipo de função altamente distinta, que tem como responsabilidade trabalhar com a credibilidade do seu negócio perante a mídia. “Muitos empresários acreditam que irão vender mais produtos contratando assessores de comunicação. Isso não é verdade! A assessoria trabalha com conteúdos jornalísticos, com informação factual e não com marketing mercadológico, que é a ferramenta geradora da venda direta”, informa a jornalista Clarice Pereira, coordenadora da Link Portal da Comunicação (www.linkportal.com.br).
Ela aponta outro engano comum dos contratantes: achar que o preço mais baixo é a melhor opção para a empresa. “Você sabe que toda categoria trabalhista tem piso mínimo salarial. Então, pergunte-se quanto vale o jornalista que cuidará de sua conta. Quanto mais baixo for o valor da prestação de serviço desse indivíduo, menor será a experiência do contratado”, reflete a profissional com mais de 20 anos no mercado de trabalho.

A jornalista Clarice Pereira, da Link Portal da Comunicação, orienta empresas sobre o que avaliar nos serviços prestados de uma assessoria

A jornalista brinca: “Você colocaria um estagiário para atuar como gerente de um de seus departamentos? No mercado jornalístico é a mesma coisa, temos os trainees, os jornalistas jr., os plenos e os sêniors. Cada um em sua faixa salarial e com experiência correspondente na função”, explica. E conclui: “Se o preço da assessoria for muito baixo, com certeza a remuneração do profissional de atendimento também será compatível com o fee recebido, ou seja, pense com cabeça de ‘patrão’ quando for contratar seu assessor”, avisa.
Clarice ensina que o contratante deve primeiramente determinar o perfil mais adequado do profissional que irá atender a empresa. Recomenda ainda observar a graduação, fluência em idiomas e as especializações dos jornalistas destacados para o serviço. Por fim, indica procurar saber quais as ferramentas que esses assessores oferecem: com que mailing list de veículos de comunicação trabalham? Sua clipagem de notícias é diária? É em tempo real? Quais ferramentas são agregadas ao trabalho? Monitoram e abastecem redes sociais? Fazem follow-up com a mídia? Visitam redações? Seus contatos ficarão disponíveis 24 horas?
Depois de traçado o perfil pretendido, reserve o budget que pretende investir nesse profissional. Faça uma pesquisa de mercado, verifique quanto outras empresas de seu porte investem no segmento. Se o seu negócio não dispõe de recursos para esse tipo de investimento, talvez você precise inicialmente investir em estratégias de marketing para gerar mais receitas. Desenvolva um planejamento de comunicação e vá galgando passo a passo os 4 “pês” do marketing: preço, produto, ponto e promoção.

“O respeito e a credibilidade advindos do trabalho de assessoria atrairão as atenções do mercado competitivo e, indiretamente, poderão gerar o interesse de novos clientes e a fidelização dos atuais”

Lembre-se de que a assessoria de imprensa não substitui ações publicitárias, de marketing ou relações públicas. A comunicação deve ser feita de maneira integrada. Certifique-se de que sua instituição tem a necessidade de estar presente na mídia para informar seu consumidor, associado e parceiros. Os porta-vozes da organização devem tornar-se fonte de informações recorrente na mídia, porque têm o que dizer para o público em geral ou porque querem trazer visibilidade e credibilidade a um produto, serviço ou marca e para a empresa institucionalmente.
Saiba que o investimento em uma assessoria de imprensa varia muito. O empresário vai encontrar preços bastante díspares, pois existem profissionais free-lancers, que trabalham sozinhos em casa, sem muitos recursos tecnológicos, cujo fee é mais acessível. Existem empresas de pequeno porte, com profissionais iniciantes, cujo custo é mediano. Outras, de porte médio, com equipes mais experientes e especializadas cobram um pouco mais. E as grandes assessorias, formadas por equipes multidisciplinares, departamentos e filiais, obviamente gerarão uma despesa maior, portanto, o valor cobrado por elas é equivalente à qualidade do serviço que seus profissionais oferecem.
Clarice Pereira ainda afirma que de nada adianta investir em assessoria de imprensa, se não houver consenso entre a diretoria e o departamento de marketing. Ambos devem estar conscientes de que é o momento para tornar sua marca mais conhecida. “O respeito e a credibilidade advindos do trabalho de assessoria atrairão as atenções do mercado competitivo e, indiretamente, poderão gerar o interesse de novos clientes e a fidelização dos atuais”, ressalta.