Construção

Revista Mercado Edição 35 - outubro 2010

Quebra-quebra na construção está com os dias contados

POR Márcia Amaral | Especial

Norma de Coordenação Modular entrou em vigor e permite racionalizar processos construtivos; agora tudo se encaixa  na construção

É comum, durante uma obra, que uma porta ou uma janela não se encaixem no espaço que lhes é destinado, o que acaba gerando desperdício de material e aumento de custos. No entanto, a solução para esse problema existe há mais de trinta anos e denomina-se coordenação modular. É que entrou em vigor, no dia 1º de outubro, a NBR 15.873:2010 – Norma de Coordenação Modular para edificações, publicada no dia 1º de setembro, que especifica como padrão a medida de 100 mm para módulos básicos, além de definir os termos e os princípios da coordenação modular para edificações. O conceito de coordenação se aplica ao projeto e construção de edificações de todos os tipos e também à produção de componentes construtivos.
A ideia central é permitir que os sistemas e componentes tenham medidas padronizadas de forma industrial e sejam compatibilizados desde o projeto. Com isso, a construção se torna mais racionalizada e com alto índice de produtividade. A Norma de Coordenação Modular foi elaborada pela Comissão de Estudo de Coordenação Modular do CB-02 (Comitê Brasileiro da Construção Civil) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), com a participação do Comitê de Tecnologia e Qualidade do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP).
Para a elaboração do projeto da norma, foram consideradas seis normas internacionais, a ISO 1791:1983, que define os termos necessários para a concepção e construção de edifícios de acordo com a coordenação modular; a ISO 1006:1983, que estabelece o valor do módulo básico para ser usado na coordenação modular de edifícios; a ISO 2848:1984, que determina os princípios e regras da coordenação modular; a ISO 6513:1982, que prescreve as séries de medidas multimodulares preferíveis para dimensões modulares; a ISO 6514:1982, que institui os valores dos incrementos submodulares; e a ISO 1040:1983, que define as medidas dos multimódulos para dimensões coordenadoras horizontais.
A norma cancela e substitui a ABNT NBR 5706 – Norma de Coordenação Modular da construção, que fixava as condições exigíveis a serem observadas na elaboração de projetos coordenados modularmente, assim como outras 24 normas da ABNT que fazem referência à Coordenação Modular.
Segundo Mário William Esper, gerente de relações institucionais e responsável pela área de Normalização e Assuntos Estratégicos da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), o Brasil é um dos pioneiros na aprovação da norma de coordenação modular decimétrica (módulo de 10 cm), a NB-25R, em 1950. O engenheiro explica que “atualmente, o tema volta a fazer parte da discussão de construtoras e projetistas devido à necessidade de aumento de produtividade aliada à redução de custos. Outro fato que determina a retomada desse sistema é que cada vez mais os empreendimentos imobiliários apresentam plantas flexíveis para atender a demanda do mercado”.
Segundo Mário William, o sistema modular facilita a industrialização e padronização de métodos e detalhes. Além disso, contribui para o controle da produção no momento em que usa técnicas pré-definidas, diminui problemas de interface entre os componentes, elementos e subsistemas e reduz desperdícios e erros de mão de obra.
O engenheiro conta que a amarração entre as paredes, por exemplo, pode ser obtida com maior facilidade se o uso do bloco proporcional substituir blocos de dimensões distintas. Ele destaca também que nas edificações em alvenaria estrutural é importante ter a definição da sequência de técnicas para a execução dos subsistemas. “Com a coordenação modular, o controle de execução é mais efetivo, inclusive com redução de patologias”, afirma Mário William.