Matéria de Capa

Revista Mercado Edição 42 - maio 2011

Nós “tem” muita educação

POR Margareth Castro

Vista parcial do campus Santa Mônica da Universidade Federal de Uberlândia - um dos seis campi da instituição, carro-chefe da educação em Uberlândia e que registrou em 2010 quase 23 mil alunos matriculados. Em detalhes, nos cantos da imagem, obras de ampliação em andamento, que são uma rotina, ocasionadas pela crescente demanda por vagas

Uberlândia registra 40 mil alunos em cursos de graduação, especialização, mestrado e doutorado. São mais de 20 instituições privadas de Ensino Superior e Especialização. Mestre em Educação comenta esse “boom”

Ao longo da vida é preciso tomar várias decisões e talvez uma das mais difíceis recaia sobre qual profissão seguir, pois, além da vocação, é preciso considerar o mercado e suas oportunidades e ainda decidir pela faculdade certa, ou seja, a escola que irá preparar o profissional para o mercado. Nesse sentido, opções não faltam e a quantidade de instituições de ensino é cada vez maior. E Uberlândia, localizada no coração do Brasil, em pleno cerrado mineiro, é um exemplo desse fenômeno. A cidade conta com uma universidade federal e diversas instituições particulares. Possui ainda duas universidades corporativas – Universidade Algar (Unialgar) e Universidade do Varejo (do Martins Atacadista), isso sem mensurar uma infinidade de cursos de graduação e pós-graduação oferecidos à distância por universidades de outros estados. Ao todo, a Secretaria de Educação do município tem registradas, além da universidade  federal,  mais de 20 instituições privadas de ensino só em nível superior, totalizando  aproximadamente 40 mil alunos entre graduação, cursos de especialização, mestrado e doutorado.
Felizmente ou infelizmente, esse “boom” na educação é diagnosticado num momento em que o Ministério da Educação (MEC) se vê envolvido na polêmica distribuição do livro Por uma Vida Melhor, para turmas da Educação de Jovens e Adultos (EJA) em todo o Brasil. Essa publicação causou alvoroço ao incluir frases com erro de concordância em uma lição que apresentava a diferença entre a norma culta e a falada. De acordo com autora – professora Heloísa Campos -, dizer “Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado” não é errado (?!). Mas, essa é uma discussão para catedráticos da Língua Portuguesa.
O fato é que “nós tem muita educação”. Uberlândia se tornou, ao longo dos últimos anos, um grande centro de educação com excelência que atrai cada vez mais estudantes, não somente da região, mas também de várias partes do país, que chegam em busca de qualificação, protagonizando um fenômeno migratório que foi até alvo de pesquisas. Há 10 anos, um estudo (Alves da Silva, Guimarães e Bertolucci Jr./2001) mostrou que 8,5% das famílias não naturais e residentes em Uberlândia migraram para a cidade atraídas pela necessidade de acesso aos diversos níveis de educação que ela oferece, principalmente, os de nível superior.
Nesse patamar, a forma de ingresso nas instituições é variada. O processo seletivo vai desde vestibular, com provas realizadas em datas marcadas pela faculdade ou agendadas pelo aluno, a avaliação da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Também pode ser feita pelo Programa de Ação Afirmativa de Ingresso no Ensino Superior (PAAES) ou pela transferência facultativa, no caso da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). A seleção ocorre semestral ou anualmente, dependendo do curso e da instituição.

Adriano Novaes, diretor da Esamc, diz que a sua escola tem “conseguido crescer sistematicamente” e destaca ter como foco a excelência de ensino e não o volume de alunos

Uberlândia pode ser considerada uma cidade privilegiada em termos de educação superior. Com tanta opção, assim como ocorre na maioria do país, existem mais vagas que alunos, apesar do déficit educacional – só 13% da população entre 17 e 24 anos cursam uma faculdade.  De acordo com o diretor acadêmico da Esamc Uberlândia, Adriano Novaes, apesar de o Brasil não ter uma cultura de financiamento na educação, dificultando o acesso ao ensino superior, ele vê com otimismo o caso de Uberlândia. “A Esamc tem conseguido crescer sistematicamente. O caminho é diferenciar-se e no nosso caso, somos uma faculdade focada na excelência de ensino e não no volume de alunos”, afirma, se restringindo a comentar especificamente a instituição que dirige.
O mestre em Educação Eduardo Macedo de Oliveira diz que apesar de predominar na cidade um maior número de instituições privadas, a Universidade Federal de Uberlândia (UFU), desde a sua federalização, tornou-se um marco para a cidade. Ele destaca ainda a localização estratégica do município, que oferece condições necessárias a qualquer tipo de empreendimento. “O crescimento das instituições de ensino superior, devido às condições dadas e demanda, é uma consequência natural. Ressalto, porém, que quantidade não se traduz necessariamente em qualidade”, diz.
Para o diretor acadêmico da faculdade Politécnica, Edison Mello Júnior, o número elevado de instituições dentro do perímetro urbano de Uberlândia, uma cidade do interior, foge dos padrões nacionais de distribuição de instituições de ensino superior. Segundo ele, uma das análises que pode ser feita a partir dessa concentração é quanto à oferta de cursos que se colocam à disposição do público estudante da cidade e região, aumentando, assim, a possibilidade de escolha para os alunos ingressantes. Mas, de acordo com Edson Júnior, por outro lado, a concorrência entre instituições provoca uma busca por melhores resultados, tanto em relação ao material de ensino ofertado quanto na racionalização dos custos envolvidos. “A sobreposição dessas duas variáveis – qualidade de ensino e custos – traz para o estudante melhores e maiores possibilidades de ajustes do financiamento estudantil a seu orçamento particular”, explica.

A Faculdade Politécnica, do diretor Edison Mello, para quem o número elevado de instituições dentro do perímetro urbano de Uberlândia, uma cidade do interior, foge dos padrões nacionais de distribuição de instituições de ensino superior

O diretor geral da Unipac, Leonídio Bouças, ressalta que o grande número de instituições de ensino superior (IES) mostra a capacidade de Uberlândia e o potencial de crescimento de mercado, que exige cada vez mais profissionais preparados. Segundo ele, a concorrência abre mercado para os docentes e melhora a relação custo X benefício. “Nos últimos anos, o cenário mudou. O número de cursos e as áreas oferecidas foram ampliados, sem contar o valor das mensalidades, que reduziu aproximadamente em 50%”, destaca.
Para Eduardo Macedo, nos últimos anos, a educação se tornou uma mercadoria, “um shopping do (des) conhecimento”, uma vez que 80% das matrículas no ensino superior se encontram nas instituições particulares. O mestre em educação ressalta que faltaram mecanismos rigorosos de avaliação e supervisão para acompanhar a abertura de novos cursos e faculdades pela iniciativa privada durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, no período de 1995 a 2002.
Segundo ele, houve um crescimento vertiginoso de instituições privadas de ensino superior em detrimento do sucateamento e engessamento das instituições públicas, em especial, as federais. “Uma condição indispensável para se tornar ou ser considerada uma IES é a presença do ensino, da pesquisa e da extensão no interior desta. Essa tríade indissociável é a base para a garantia do ensino de qualidade”, ressalta.

“Uma condição indispensável para se tornar ou ser considerada uma IES é a presença do ensino, da pesquisa e da extensão no interior desta”

Eduardo Macedo critica também a forma de ingresso dos alunos nas IES, completamente diversa da que ocorre em âmbito privado e público. “De um lado, temos uma oferta maior de vagas na iniciativa privada; ao contrário, nas públicas, o funil é mais estreito, gerando o ingresso mais seletivo de alunos. Entretanto, observa-se nos processos seletivos uma perda de qualidade no nível de aprendizagem dos candidatos, consequência da precarização da educação básica.”
A revista Mercado entrou em contato com as principais instituições da cidade, mas algumas não deram retorno até o fechamento desta edição. Confira nesta reportagem um perfil das instituições existentes na cidade.

Concorrência – Como se diferenciar no mercado

Se os estudantes têm dificuldades em escolher a instituição em função da quantidade de opções, as instituição de ensino superior (IES) também precisam oferecer diferenciais para se destacar no mercado, como corpo docente qualificado, infra-estrutura adequada, localização e, principalmente, bons resultados nas avaliações do MEC.

O conceito de educação vai além de simplesmente oferecer infraestrutura e cursos de qualidade. É preciso de profissionais que saibam fazer a diferença no mercado de trabalho e na comunidade

De acordo com o diretor acadêmico da Faculdade Politécnica, Edison Mello Júnior, o conceito de educação vai além de simplesmente oferecer infraestrutura e cursos de qualidade. Segundo ele, é preciso de mais profissionais que saibam fazer a diferença no mercado de trabalho e na comunidade. “Mais que atender às necessidades do mercado, a Politécnica acredita na importância do ser humano e no desenvolvimento de suas competências comportamentais, por isso, na faculdade, os alunos criam projetos específicos e integrados com o mercado”, explica.
Por meio de parcerias da Politécnica com pequenas e grandes empresas, os alunos têm acesso ao mercado de trabalho, seja para estágios ou empregos efetivos. “O futuro depende das escolhas que são feitas, da capacidade de enxergar além do que se vê e da habilidade de transformar problemas em soluções”, justifica Edison Júnior.
Adriano Novaes, da Esamc, acrescenta que um bom projeto pedagógico, alinhado às necessidades do mercado e ainda ao rigor acadêmico e a um corpo docente que concilia titulação acadêmica com experiência de mercado são fatores essenciais para se destacar frente à concorrência.

Um dos cinco Campi da Unipac em Uberlândia: 6 mil alunos matriculados e capacidade para 12 mil

O diretor da Unipac, Leonídio Bouças, destaca o fácil acesso as unidades da instituição, que são localizadas na área central da cidade, diminuindo assim o custo com transportes e fazendo com que o aluno economize tempo. Além disso, ele ressalta a relação custo X benefício, uma prática natural da instituição, através do Programa de Bolsas, da contratação de um alto número de mestres e doutores e dos investimentos nas áreas social, cultural e na mídia.

MEC – Avaliações ajudam na hora da escolha

As avaliações realizadas pelo Ministério da Educação – MEC, especialmente o Enade, ajudam os alunos pretendentes a um curso de graduação a escolher a melhor instituição de ensino superior (IES), sendo um indicador na comparação da qualidade entre os cursos. Mas os diretores das instituições são unânimes em afirmar que a avaliação do MEC não deve ser o único critério na hora de decidir por uma instituição. Segundo eles, é preciso avaliar o compromisso com o aprendizado, a estrutura de negociação financeira e o acompanhamento profissional durante a trajetória acadêmica.
O mestre em Educação, Eduardo Macedo de Oliveira, afirma que as avaliações são uma referência e que foram aperfeiçoadas ao longo do tempo, tendo um amadurecimento salutar e necessário. Segundo ele, do ponto de vista institucional, as avaliações contam com diferentes interpretações e consequências em instituições públicas e privadas. “Ensino superior demanda grandes investimentos, e em âmbito privado, não poderia ser exclusivamente uma relação de troca, um marketing comercial, um simulacro educacional”, diz.

Na opinião do mestre em Educação, Eduardo Macedo, em âmbito privado, o ensino superior não poderia ser exclusivamente uma relação de troca, um marketing comercial ou um “simulacro educacional

O diretor da Politécnica, Edison Mello Júnior, diz que a avaliação interfere no sentido de buscar cada vez mais os índices de excelência definidos em seu planejamento estratégico, e que o sucesso apresentado na avaliação dos cursos superiores de tecnologia deveu-se à experiência da faculdade na modalidade desse curso, aliada a uma coordenação comprometida com os objetivos dos cursos e do quadro docente. Segundo ele, a performance do curso de bacharelado também pode ser atribuída aos pontos já destacados. “Após a avaliação e resultado do MEC, a mudança mais imediata decorrente foi o fortalecimento das diretrizes acadêmicas no sentido de aperfeiçoar constantemente as estratégias de crescimento dos cursos e os resultados já são visíveis desde a implementação das estratégias definidas,” conta.
Adriano Novaes, diretor da Esamc, diz que os resultados das avaliações do MEC são muito importantes para que a instituição verifique o seu desempenho e até se compare com as principais instituições do Brasil. “Este ranking facilita a avaliação dos alunos na escolha das melhores e identifica as mais alinhadas com as diretrizes do MEC para um ensino de qualidade”, reforça.

A Esamc Uberlândia reflete bem o nível da educação superior no município, tendo conquistado o 29º lugar entre as instituições de ensino superior de todo o Brasil, à frente de todas as PUCs, Mackenzie, FAAP, ESPM, entre outras instituições reconhecidas pela excelência de ensino

Aliás, com relação à Esamc Uberlândia, ela reflete bem o nível da educação superior em Uberlândia. Essa instituição conquistou o 29º lugar entre as instituições de ensino superior de todo o Brasil, na frente de todas as PUCs, Mackenzie, FAAP, ESPM, UFU e outras instituições reconhecidas pela excelência de ensino, se destacando entre as top 30 do Brasil. “Essa conquista é importante para a Esamc porque nos consolida como uma instituição de ponta e proporciona ao mercado local e regional profissionais melhor qualificados”, diz Adriano Novaes.
A instituição também teve outros resultados importantes em 2010. Das faculdades de Administração do Brasil, somente 27 tiraram nota máxima e a Esamc é uma delas. Ela também foi a 8ª faculdade de Publicidade do Brasil.
“Para a Unipac, a avaliação é um dos elementos que nos impulsiona e cria parâmetros para nossa perfeita prestação de serviços educacionais e constante melhoria”, diz o diretor geral, Leonídio Bouças. Em uma avaliação de 0 a 5, a instituição alcançou notas 3 e 4. Em relação à avaliação anterior, nenhum curso da instituição alcançou nota menor que a já obtida em anos anteriores. A avaliação acontece de três em três anos.

Para o pró-reitor de Graduação da UFU, Waldenor Barros, o movimento de avaliação das IES é muito importante para a definição dos rumos e ações planejadas

A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) participa de vários processos de avaliação enquanto IES, desde a avaliação do estudante por meio do Enade até a de recredenciamento institucional, passando pelas avaliações de reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos de graduação e pós-graduação. Além disso, a UFU, por meio da Comissão Permanente de Avaliação (CPA), realiza a autoavaliação institucional anualmente. “Esse movimento de avaliação institucional é muito importante para a definição dos rumos e ações planejadas”, diz o pró-reitor de Graduação, Waldenor Barros Moraes Filho.
No processo de recredenciamento institucional, a nota obtida pela UFU foi 4, considerada uma boa média pela universidade, tendo em vista o momento de expansão pela qual está passando, via Reuni.

O que avaliar ao escolher uma IES
Busque informações sobre a instituição no Ministério da Educação (MEC) e/ou no Conselho Nacional e Estadual de Educação
Converse com dirigentes, professores e alunos da instituição
Observe aspectos de infraestrutura física, tais como laboratórios, bibliotecas, entre outros, e principalmente, a qualificação do corpo docente, o currículo e as atividades de pesquisa e extensão desenvolvidas pela instituição
Verifique se há a incorporação e utilização de tecnologias de informação e comunicação (TICs) no interior da instituição
Dicas: Eduardo Macedo de Oliveira
mestre em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia

.

Perfil de instituições de ensino superior de Uberlândia

Faculdade Politécnica
Faculdade Politécnica 22 de dezembro de 2000
Cursos oferecidos Bacharelado: Administração, Ciências Contábeis, Direito, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia de Produção e Sistemas de Informação.
Superiores de Tecnologia: Gestão de Recursos Humanos, Gestão da Produção Industrial, Gestão Financeira e Marketing.
Capacidade de atendimento Pronta para atender a demanda existente
Processo seletivo Edital disponibilizado no site, com um vestibular principal e vários sequenciais (continuados) e alguns agendados e ainda ingresso por meio da nota de classificação do Enem, transferência e portabilidade de diploma
Estrutura Uma unidade, com sede à rua Rafael Marino Neto, 600, no bairro Jardim Karaíba (antigo Ubershopping)

.

Esamc Uberlândia
Fundação 1999, sendo que as primeiras turmas começaram em fevereiro de 2000
Cursos oferecidos Administração, Relações Internacionais, Publicidade, Relações Públicas, Design Moda, Design Gráfico, Design Produto, Design Interiores, Direito, e engenharias Civil, Computação, Produção e Ambiental.
Capacidade de atendimento 200 alunos matriculados de graduação e pós-graduação
Processo seletivo Vestibular semestral para graduação e análise de currículo e entrevista para MBA
Custos O valor das mensalidades varia de R$ 540 (MBA) a R$ 843,21
(Direito e Engenharias)
Estrutura Uma unidade com sede na avenida Vasconcelos Costa, 270 – Bairro Martins

.

Unipac Uberlândia
Fundação 2004
Cursos oferecidos Administração, Agronomia, Biomedicina, Ciências Contábeis, Direito, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Pedagogia, Serviço Social, Medicina Veterinária, Agronegócios, Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Logística e Marketing.
Capacidade de atendimento 6 mil alunos matriculados e capacidade para 12 mil
Processo seletivo Vestibular, conforme regulação do MEC, que pode ser feito nas das datas previstas ou agendado
Estrutura São cinco campi, sendo 1 no bairro Martins (campus Alfa), 3 no Centro (campus Delta, Gama e Ômega) e 1 na avenida Marcos de Freitas Costa, além do Núcleo de Práticas Jurídicas, na Praça Clarimundo Carneiro

.

Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
Fundação Criada em 1969 e federalizada em 1978
Cursos oferecidos São 55, sendo 50 nos campi de Uberlândia, 11 no campus Pontal, 3 em Monte Carmelo e 3 em Patos de Minas e ainda 3 cursos à distância. São eles: Administração, Agronomia, Arquitetura e Urbanismo, Artes Visuais, Biomedicina, Biotecnologia, Ciência da Computação, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Ciências Sociais, Comunicação Social, Dança, Design de Interiores, Direito, Educação Física, Enfermagem, Engenharia Aeronáutica, Engenharia Ambiental, Engenharia Biomédica, Engenharia Civil, Engenharia de Agrimensura e Cartográfica, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Eletrônica e de Telecomunicações, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Mecatrônica, Engenharia Química, Estatística, Filosofia, Física, Física de Materiais, Física Médica, Fisioterapia, Geografia, Gestão da Informação, Gestão em Saúde Ambiental, História, Letras, Matemática, Medicina, Medicina Veterinária, Música, Nutrição, Odontologia, Pedagogia, Psicologia, Química, Química Industrial, Relações Internacionais, Serviço Social (CP), Sistemas de Informação, Tradução e Zootecnia
Capacidade de atendimento No ano de 2010 foram matriculados 22.889 alunos
Processo seletivo Vestibular semestral e anual para determinados cursos, Paaes, transferência facultativa com processo seletivo anual e Sisu
Estrutura São 6 campi: Santa Mônica, Umuarama, Educação Física, campus do Glória (em construção) em Uberlândia. Há ainda um campus no Pontal, em Ituiutaba, um em Monte Carmelo e um em Patos de Minas

.

Unitri – Centro Universitário do Triângulo (*)
Cursos oferecidos Administração, Arquitetura e Urbanismo, Biologia, Ciência da Computação, Ciências Contábeis, Design de Moda, Direito, Educação Física, Enfermagem, Engenharia Civil, Engenharia de Produção, Farmácia, Fisioterapia, Jornalismo, Nutrição, Odontologia, Pedagogia, Psicologia, Publicidade e Propaganda, Serviço Social, Sistemas de Informação, Tecnólogo em Estética, Tecnólogo em Gestão da Segurança Privada, Tecnólogo em Processos Gerenciais, Tecnólogo em Produção Audiovisual e Tecnólogo em Redes de Computadores
Estrutura Um campus, com sede na avenida Nicomedes Alves dos Santos, 4.545, no Gávea
(*) A instituição não retornou os contatos da reportagem

.

Faculdade Católica de Uberlândia (*)
Fundação 2002
Cursos oferecidos Serviço Social, Comunicação Social (Jornalismo), Direito, Administração, Teologia, Pedagogia, História, Geografia, Filosofia, Tecnologia em Logística e Tecnologia em Gestão Ambiental
Estrutura Uma unidade com sede na rua Padre Pio, 300, no bairro Osvaldo Rezende
(*) Até o fechamento da edição, a instituição não retornou o contato da reportagem

.

Faculdade Pitágoras Uberlândia (*)
Cursos oferecidos Administração, Ciências Contábeis, Direito, Engenharias Ambiental, Civil, Elétrica, Mecânica e de Produção, Pedagogia, Psicologia, Sistemas de Informação, Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos, Logística e Redes de Computadores
Estrutura Uma unidade com sede na avenida dos Vinhedos, 1.200, no bairro Morada da Colina
(*) A reportagem não conseguiu contato com a instituição

.

Faculdade de Marketing e Negócios – Uniessa (*)
Cursos oferecidos Administração, Administração com ênfase em Agronegócios, Administração Hospitalar, Design de Produtos, Design de Interiores, Comércio Exterior, Logística e Marketing
Estrutura Unidade Colina – na Avenida das Américas, 505, no bairro Morada da Colina
(*) A instituição não retornou nenhum dos contatos da reportagem

.

Uniube Uberlândia
Fundação 2007
Cursos oferecidos Direito, Administração, Turismo e Gestão de Agronegócios
Estrutura Campus Rondon – na Avenida Rondon Pacheco, 2.000 – Bairro Lídice

.
OBS: As demais instituições que não aparecem listadas anteriormente não responderam aos contatos da reportagem. Outras que aparecem, mas com dados não tão completos, foram listadas baseadas em pesquisas em seus respectivos sites