Especial Mulher

Revista Mercado Edição 39 - fevereiro 2011

Mulher no “batente”

POR Evaldo Pighini

Rosmari Cima: mais de 300 pessoas sob o seu comando, a maioria homens, e a responsabilidade da administração de obras em várias cidades, incluindo, Uberlândia, Belo Horizonte e Brasília

Com a proximidade do Dia Internacional da Mulher, 8 de março, torna-se relevante lembrar-se de exemplos de mulheres que assumiram os negócios ou que trabalham em segmentos tipicamente masculinos e fizeram a diferença

Mulher passando em frente a uma obra é alvoroço na certa. A cena já se tornou comum e faz com que muitas desviem de suas rotas, a fim de evitar os engraçadinhos. A coisa muda de figura, porém, quando quem está no comando dos funcionários é justamente uma mulher, jovem e bonita. Há ainda casos em que as mulheres estão literalmente do lado de dentro da construção, com a mão na massa, situação esta que tem se tornado cada vez mais comum.
Entre as que estão no comando, tem o caso da arquiteta Rosmari Cima, que administra em Uberlândia a filial Cima Engenharia. Rosmari entrou para a construção civil em 1990, aos 30 anos, após ter por alguns bons anos acompanhado marido e filhos. Hoje, sob o seu comando, no escritório ou em obras da empresa, espalhadas por cidades como Uberlândia, Ituiutaba, Catalão, Belo Horizonte e Brasília, trabalham cerca de 300 pessoas, a maioria homens.
Entretanto, quando perguntada se vive ou já viveu preconceitos por ser uma mulher ocupando cargo de comando num ambiente relativamente masculino, Rosmari é categórica ao afirmar que os obstáculos encontrados até hoje são bem menores do que se imagina. “Até hoje, em mais de 20 anos na construção, sempre tive o respeito dos funcionários, principalmente nos canteiros das obras”, destaca a empresária. Ela garante nunca ter vivido casos de rejeição ou de insubordinação e acredita que muito que se fala da relação mulher/chefe e homem/subordinado é lenda, coisa que está mais na cabeça das pessoas do que na prática propriamente dita.

Luciana Castro, à frente da Construtora Carrara desde 2006, mostra a eficiência da gestão feminina na construção civil. Ela é mais um exemplo da mulher que pega no “batente” sem perder a essência feminina

Oportunamente, Rosmari aproveita para dar um recado às mulheres que pensam o contrário: “Em muitos dos casos onde há insubordinação, desrespeito ou até agressões no relacionamento entre homens e mulheres, o principal problema reside no fato daquela mulher que se deixa subjugar, que não se impõe e que não demarca o seu espaço”, afirma.
Outro caso muito semelhante ao de Rosmari é o de Luciana Castro, diretora da Construtora Carrara, empresa paulista. Formada em administração de empresas, ela se juntou a seu irmão, o engenheiro civil Rodrigo Castro, em 2006, quando assumiu a direção administrativa da construtora. Atualmente, ela comanda a execução de seis empreendimentos. Do uniforme confortável da equipe à implementação de softwares, como o CRM (que faz o gerenciamento de relacionamento com o cliente), ao trabalho de desenvolvimento das equipes, ao novo manual de direitos e deveres dos funcionários e outros. A executiva conta que todo dia enfrenta várias batalhas para ter o respeito das pessoas. “Eu gosto de desafios”, revela. Um detalhe, ela faz questão de solicitar pessoalmente aos seus funcionários de obra que não perturbem com gracejos a outras mulheres que passarem pela construção. Eles levam a sério e respeitam.
Exemplos como o de Rosmari, Luciana e tantas outras mais estão se tornando cada vez mais comuns nas corporações, na política e outros meios mais. É claro que há muito para ser conquistado, muitos tabus precisam ser quebrados. Entretanto, 2011 começa com uma mulher, Dilma Rousseff, à frente do Brasil. Um prenúncio de que muitas portas serão abertas para que outras brasileiras também possam assumir cargos antes tipicamente masculinos.

Data para comemorar

Em comemoração ao Dia Internacional das Mulheres, a Escola do Feminino de Belo Horizonte (www.escoladofeminino.com.br) preparou em várias cidades do Brasil uma programação especial para abraçar e apoiar as causas da mulher que além de moderna é feminina. Para isso, apresenta os talentos da essência da mulher e revela alguns segredos para tornar a vida mais prazerosa.

Alguns talentos da essência feminina:

Flexibilidade - permite à mulher se adaptar rapidamente a um mundo em grande transformação;
Comunicabilidade - num mundo onde tudo se constrói através de contatos e boa comunicação;
Alta dose de energia sexual – energia sexual é a energia de vida, que permite uma pessoa criar, realizar e atrair não só um parceiro, mas oportunidades (como a mulher agora pode optar por ter poucos filhos, sobra-lhe uma enorme quantidade de energia sexual para usar para suas realizações pessoais e brilhar;
Criatividade - a mulher pode criar novos trabalhos e soluções nestes tempos onde as velhas estruturas sociais e profissionais estão ruindo;
Capacidade e humildade para aprender. A mulher, não importa que idade tenha, está sempre aberta a aprender;
Potencial Emocional - não tem nada mais contagiante do que as emoções, elas ajudam a mulher a liderar e a ter motivação para realizar;
Sensibilidade (sexto sentido) – que permite à mulher pressentir aquilo que ainda não se tornou explícito. Ela pode sentir quando um filho está com problemas, quando um negócio não irá dar certo, quando terá problemas com uma pessoa. Pode ao mesmo tempo sentir e ser empática com as alegrias e sofrimentos das outras pessoas.

Quando a mulher utiliza este seu potencial de forma inadequada, alguns desajustes podem surgir. Quando mal utilizada, as emoções se transformam em sofrimento, a sensibilidade em fragilidade, a energia sexual em carência por um parceiro, a vontade de aprender em insegurança, a flexibilidade em submissão, a comunicabilidade em dispersão.
A mulher não tem feito tão mal uso destes talentos, senão não seria tão bem sucedida como é hoje em dia. Mas ela pode aprender a se conhecer melhor, viver baseada em seus talentos e aprender sobre seus reais direitos essenciais.

Alguns segredos e dicas para tornar a vida mais feminina e prazerosa:

Transforme suas emoções em suas aliadas. A dança ajuda a ter emoções elevadas. Pratique, também, a terapia do riso;
Mantenha seu corpo saudável, flexível, sensual, assim, terá vitalidade, magnetismo e a possibilidade de vencer no seu dia a dia com mais astúcia e sem sofrimento. O Yoga para mulheres e as danças sensuais, desenvolvidas na Escola do Feminino, colaboram no processo do desabrochar da mulher;
Evite, na vida profissional, os trabalhos mecânicos, rotineiros. Dê preferência às áreas criativas. Trabalhe em áreas onde pode ver diretamente os resultados positivos que seus esforços profissionais produzem na vida das pessoas;
Conheça que tipo de mulher é você. Nem todas as mulheres estão destinadas ao casamento e à maternidade. Da mesma forma que nem todas as mulheres estão destinadas ao mundo profissional. A mulher pode desempenhar muitos papéis e deve escolher livremente. Descubra sua singularidade;
Desenvolva e aprenda a usar sua sensualidade, a escolher, atrair e manter o melhor parceiro. Não se contente apenas em ser escolhida, não se contente com um homem ‘fraco’ por medo de ficar sozinha.