Turismo

Revista Mercado Edição 43 - julho 2011

Mistérios e belezas de Yucatán

DA Redação

Conjunto histórico e arquitetônico da civilização maia na península de Yucatán faz do México o país mais visitado da América Latina. Ruínas de Chichén Itzá e Tulum são os maiores atrativos

Com 22, 9 milhões de turistas só em 2010, o México mantém a liderança no ranking dos países mais visitados da América Latina, sendo as ruínas históricas da península de Yucatán – que abrange os estados de Quintana Roo, Campeche e Yucatán – a grande responsável pela maior parte desse fluxo. A cidade de Chichén Itzá é a mais famosa da região, e está localizada a 120 quilômetros da cidade de Mérida, capital de Yucatán, tendo sido considerada Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) e eleita uma das Sete Maravilhas do Mundo em 2007. Outro destaque é Tulum, nome dado às ruínas maias localizadas na costa caribenha mexicana. O lugar é um paraíso em si, porque além de contar com as belas ruínas maias, possui um mar de águas azuis de tirar o folêgo.
Da capital mexicana a Mérida, capital do Yucatán, são mais de três horas de voo, com uma escala em Villahermosa, no pantanoso Estado de Tabasco. Depois do clima mais temperado do planalto central, o ar abafado e úmido de Mérida pesa sobre a noite carregada de suaves odores tropicais.
A Península do Yucatán, delimitada a norte e a leste pelo Golfo do México e pelo Mar das Caraíbas, é a região mais oriental do estado mexicano e possui um regime climático muito particular. A altitude média pouco supera o nível da água do mar, a pluviosidade durante o verão é das mais elevadas do país, e quase todo o território – plano e sem significativos relevos montanhosos – se reveste de um imenso manto verde de floresta subtropical.
Há sinais de umidade no ar e os cheiros da floresta próxima entranham-se nas ruas da cidade. Com a chuva acabada de cair sobre a terra que guarda ainda restos do calor da tarde, podem ter tombado sobre Mérida as últimas gotas de água do ano. São as águas de novembro fechando o outono. O clima subtropical da Península assegura um inverno seco, com temperaturas amenas, dias luminosos e céus invariavelmente azuis. O território de Yucatán é formado por três estados: Quintana Roo, Campeche e Yucatán, cada qual profundamente marcado pela civilização maia.

Viagem deve começar por Mérida

Com cerca de 700 mil habitantes, a capital do Estado de Yucatán, Mérida, é uma cidade de contrastes. Nela, o turista vai encontrar hotéis elegantes, restaurantes e shoppings centers no norte da cidade. No centro, há hotéis e restaurantes para todos os bolsos. Muito disso marcado por resquícios da inquisição espanhola. Mérida oferece ainda uma série de atrações turísticas: maravilhosos monumentos, artesanato, um folclore rico em cores, roupas, músicas e danças, e delícias gastronômicas que são famosas por sua culinária. A localização geográfica é estratégica e faz da cidade o ponto de partida ideal para visitar sítios arqueológicos do mundo maia.
Romântica, está imersa em uma terra maravilhosa e em uma cultura única, em que se misturam o antigo e o novo, o que pode ser observado nos edifícios e construções manifestando a arte indígena, a estética colonial e o estilo art nouveau do início do século XX.
Mérida é uma cidade que convida a ficar, tanto para desfrutar do calor de seu povo quanto do seu clima quente na maior parte do ano. Essa cidade é conhecida pela sua hospitalidade e por ser uma das melhores da península, já que tem tudo para fazer da visita dos turistas uma estada única.
Mérida se consolida neste século XXI como uma cidade autêntica e moderna, verdadeira e clássica, que nos últimos anos, além de ter crescido de forma notável, é uma cidade de primeira opção para fazer negócios. Conta com uma atmosfera ideal, que combina excelente serviço e grande conforto, e também oferece múltiplas opções de entretenimento, atividades culturais, serviços de alimentação, bebidas, descanso, passeios e todas as infinitas possibilidades do turismo na Península de Yucatán em distâncias curtas entre cada um dos atrativos.
Mérida vive uma grande festa cultural os 365 dias do ano, e os milhares de visitantes do mundo inteiro que recebe viram espectadores da intensa realidade diária, pois festas e tradições sempre proporcionam um espetáculo colorido, autêntico e inesquecível.

Península do Yucatán, delimitada a norte e a leste pelo Golfo do México e pelo Mar das Caraíbas: a região é riquíssima em vestígios da civilização maia

Mérida é uma terra romântica e de cultura única, onde o antigo e o novo se misturam

A Catedral de Mérida, a mais antiga de todo o continente americano, foi erguida com as pedras de T’ho, a antiga cidade maia que os espanhóis destruíram

O Centro Histórico de Mérida: destaque para o Palácio Municipal

O Centro Histórico convida a uma noite cultural única. Às segundas-feiras, por exemplo, em frente ao Palácio Municipal, tem uma dança tradicional chamada “Jarana Yucateca”, e aos domingos, duas orquestras animam a noite ao ritmo de “salsa e cumbia”. Há também peças de teatro, danças folclóricas e filmes, uma gama de atividades e eventos para todos os gostos – do clássico ao jazz -, dança folclórica com trovas românticas, rock, música industrial, exposições de arte tradicionais e inovadoras, cinema de arte contemporânea, oficinas para crianças, atividades literárias, conferências, bailes ao ar livre e muito mais.
Capital maia – Mayapan (espanhol Mayapán) é uma antiga cidade pré-colombiana maia, localizada no estado do Yucatán, no México, a cerca de 40 km ao sul de Mérida – a capital – e a 100 km a oeste de Chichén Itzá – outra grande cidade maia do século VII. Mayapan foi a capital política dos maias, na Península de Yucatán, entre os anos de 1220 até o final de 1440.

Estado de Quintana Roo

Sem dúvida, a Península de Yucatán é um dos destinos mais explorados turisticamente no México. É, também, o lugar onde se encontram os principais locais arqueológicos da antiga cultura maia. A começar por Quintana Roo, um estado jovem que experimentou um forte desenvolvimento nas últimas décadas. As belas e inigualáveis praias caribenhas, os entornos naturais únicos e as testemunhas culturais dos antigos maias contribuíram para polarizar o interesse dos visitantes do exterior. Provavelmente, o lugar mais conhecido de Quintana Roo seja Cancún, porém esse território esconde muitas outras surpresas.

Cancún e Isla Mujeres

Cancún, que em maia quer dizer “recipiente de ouro”, converteu-se no destino favorito dos casais em lua de mel e de milhares de turistas que procuram o azul turquesa de suas águas. Situada no Estado de Quintana Roo, está localizada em uma ilha (zona de hotéis) ligada ao continente por meio de uma ponte que conduz à Cidade Cancún. A leste da ilha encontra-se o Mar do Caribe, e a Oeste a Gran Laguna. Em Cancún há que se destacar o Museu de Antropologia e História, próximo ao Centro de Convenções na zona hoteleira, e onde se pode admirar uma pequena coleção de peças maias, e as Ruínas Maias da Zona Arqueológica El Rey.

Ruínas de Mayapan, cidade que foi a capital política dos maias (1220 d.C e 1440 d.C)

Mas é impossível falar de Cancún e não citar as suas deslumbrantes e brancas praias (Playa Las Perlas, Playa Tortugas, Playa Chac-mool, Playa del Rey, etc.), todas elas abertas ao público. Estando lá, é recomendável realizar passeios e desfrutar ao máximo de todas as possibilidades, seja mergulhando ou praticando algum esporte aquático. Cancún conta com magníficas instalações e com numerosos centros comerciais, restaurantes, bares, discotecas ou cafeterias que farão a sua estada mais agradável.
A noroeste de Cancún localiza-se Isla Mujeres, uma pequena ilha onde o mais extraordinário é a tranquilidade. No Parque Nacional El Garrafón, encontram-se as praias mais populares, com destaque para a dos Cocos, a mais bonita, Playa Lanchero, importante refúgio de tartarugas marinhas e Playa Garrafón, o lugar ideal para a prática do “snorkel”. Mas procure chegar cedo, pois é inevitável fugir da concorrência de centenas de turistas. Se você é um mergulhador experimentado, pode realizar mergulhos nos arredores, onde descobrirá encantadores arrecifes. Em somente duas horas de cruzeiro avistará a Ilha Contoy, famosa por sua riqueza coralina e por ser uma reserva ornitológica nacional. É uma atração ecoturística, já que constitui um Parque Nacional onde habitam centenas de aves que dificilmente poderiam ser observadas de perto em outros lugares do mundo. O cais e o museu são as únicas instalações de Isla Mujeres.

Costas e ruínas maias de Quintana Roo

Deixando Cancún em direção ao sul pela movimentada estrada que vai para Tulum e Chetumal (a capital do estado), tem a Playa del Carmen, importante centro turístico devido à sua animada vida noturna e arrecifes de coral. Começa aqui a Costa Turquesa, que se estende de Puerto Morelos, ao sul de Tulum, à altura da Reserva da Biofera de Sian Kaan. Nas longas praias é possível tomar banho, mergulhar, descansar e se bronzear.

Cancún, que fica no Estado de Quintana Roo, e que em maia quer dizer “recipiente de ouro”, é o destino favorito de casais em lua de mel

Isla Mujeres, pequena ilha a noroeste de Cancún

Praia em Cozumel, a maior ilha do México, que fica na Península de Yucatán

Cozumel - De Playa del Carmen partem numerosas embarcações em direção a Cozumel, a maior ilha do México. Os maias navegavam até ela para dirigir-se aos templos dedicados a Ixchel, a deusa da lua e da fertilidade. São Miguel de Cozumel é a única cidade da ilha onde é quase uma obrigação visitar o museu, que tem retratada a história da ilha. Nove quilômetros além do povoado encontra-se a bela Bahia de Chankanab, aquário natural abastecido por canais subterrâneos e, muito perto, o Jardim Botânico, com mais de 300 classes de plantas tropicais e árvores de 22 países. Entre os meses de maio e setembro pode-se observar a desova das tartarugas (sob a vigilância de autoridades). As areias brancas das praias de Cozumel, muitas delas virgens, como as de Punta Celarain, são um convite para praticar todo tipo de esportes aquáticos, descansar, mergulhar no Arrecife Palancar ou visitar as Ruínas de El Cedral, a estrutura mais antiga da ilha – que possui restos das pinturas originais maias – e as Ruínas de San Gervasio – formadas por pequenos altares e templos em honra de Ixchel.

Xel-Há, a 122 quilômetros de Cancún, é um dos maiores aquários naturais do planeta

Tulum, que significa “Cidade de Alba”, é um dos lugares mais espetaculares da colonização maia

Muralhas da cidade de Campeche, que leva o mesmo nome do estado

Pelo litoral da Costa Turquesa

Deixando a ilha em direção ao sul pelas costas de Quintana Roo, localiza-se Xcaret, a 72 km ao sul de Cancún, considerado o “paraíso sagrado da natureza”. Esse lugar foi utilizado pelos maias como porto e conta com dois templos antigos. É um ambiente ideal para nadar (acompanhado de golfinhos) e para o “snorkeling”. Em Xcaret, vale a pena a visita a Puerto Aventuras, que se destaca por ser um imponente complexo turístico de luxo, provido de todas as facilidades e comodidades. Seus atrativos mais importantes são o porto com capacidade para 240 embarcações e um campo de golf de 9 buracos.
Yal-ku, a 98 quilômetros ao sul de Cancún, é uma lagoa muito pouco visitada. A entrada fica perto de um pequeno local que conta com um moinho de vento bastante visível. Embora não tenha instalações turísticas, é um bom lugar para desfrutar dos canais de água turquesa.
Akumal, (que em maia quer dizer “lugar de tartarugas”), a 102 quilômetros de Cancún, é famosa por sua maravilhosa praia e por ser um lugar muito procurado por mergulhadores do mundo todo que ali se encontram para explorar suas profundezas. O turista também não deve deixar de visitar Xel-Há, a 122 quilômetros de Cancún, pois é um dos maiores aquários naturais do planeta, composto de bacias de pedra calcária, baías, lagoas e tanques com diversas variedades de peixes tropicais. A prática do “snorkeling” nessa zona é quase uma obrigação. Tem ainda Chemuyil, a 109 quilômetros de Cancún, considerada uma das praias mais românticas do México. Em forma de ferradura e protegida por uma barreira de arrecife, conta com uma praia de areia fina e branca incomparável.
Outro grande destaque é Tulum, que quer dizer “A Cidade de Alba”. É uma das cidades maias mais espetaculares pela disposição das muralhas e por estar bem ligada ao Mar do Caribe. As construções correspondem ao Período Pre-clássico, e entre elas se destacam o Templo dos Frescos, O Castelo – a construção mais alta – e o Templo das Séries Iniciais. Tulum é o único porto maia conhecido que, quando da chegada dos conquistadores espanhóis, ainda estava habitado.
Partindo de Tulum 50 quilômetros terra adentro, pode-se chegar a Cobá, provavelmente o maior de todos os jazigos maias. Foi um importante centro comercial que se formou em uma zona de lagos com calçadas sagradas ou “sacbeob”, sendo que algumas delas chegaram a alcançar 100 quilômetros de comprimento. No lugar, destacam-se a pirâmide do Templo das Igrejas do Grupo Cobá, as estrelas do Grupo Mecanox, o Conjunto das Pinturas e a Grande Pirâmide, a mais alta das construções maias da Península de Yucatán.

As ruínas de Edzná, cidade maia cujo sítio fica perto de Campeche

O Paseo de Montejo é um lugar por onde se deve passear em Mérida, capital

Ruínas de Uxmal, que fica nas serras Puuc, a 80 quilômetros de Mérida

De volta à costa, em direção ao sul, localiza-se a Reserva Biosférica de Sian Ka´an, parque ecológico com mais de 500 hectares e importante ecossistema do continente americano, onde encontram-se bosques, lagoas, pântanos, arrecifes de coral, ruínas maias e uma impressionante variedade de flora e fauna. Na reserva podem ser vistas onças, ocelotes (jaguatiricas), macacos-aranha, tigres, antas, tamanduás e jacarés, assim como milhares de peixes multicoloridos. As excursões pelo lugar são guiadas operadas por “Amigos de Sian Ka´an”, uma organização não lucrativa.
Finalmente, ainda mais ao sul, localiza-se Chetumal, a capital do estado, muito perto da fronteira com Belice.

Estado de Campeche

Campeche, a capital do estado de mesmo nome e a 195 quilômetros de Mérida, impressiona pelas muralhas que rodeiam a cidade e pelos seus esplêndidos edifícios coloniais.
Em visita a essa cidade, vale conhecer a Praça Principal, de estilo colonial e com alguns elementos atuais; a Catedral da Conceição, a mais antiga da Península de Yucatán (1.540); a Mansão Carvajal, morada de um importante fazendeiro de tempos passados; o Baluarte de São Carlos, onde se encontra a Sala das Fortificações; a Casa da Cultura, outro exemplo da riqueza colonial de Campeche; e ainda o Museu de Estrelas Maias.
Muito próximo da cidade localizam-se as ruínas de Edzná, cidade maia – 650 dC. a 900 dC. – que tem como grandes atrações o Anfiteatro, os Canais Subterrâneos e a Pirâmide dos Cinco Nichos, obra mestra de 31 m de altura.

Estado de Yucatán

Em se tratando de turismo cultural e histórico, o Estado de Yucatán oferece belas cidades coloniais e, provavelmente, as mais espetaculares ruínas maias. A começar pela capital Mérida, as ruas dessa cidade combinam, em delicada harmonia, elementos indígenas e espanhóis, que podem ser apreciados nas grades de ferro fundido das casas, nas ruas empedradas ou nos belos jardins. Estando em Mérida, não deixe de admirar a impressionante Catedral de São Ildefonso, do século XVI, de estilo barroco, uma das maiores catedrais do país; a Plaza Mayor, o melhor lugar para descansar; e o Palácio de Governo e o Palácio Municipal do século XVI. Tem ainda a Casa Montejo, de fachada pitoresca, que é atualmente um banco. Aconselha-se ainda percorrer o Paseo de Montejo, com suas casas senhoriais de influência europeia, para depois visitar o Museu Nacional de Antropologia, onde se pode conhecer mais de perto a antiga cultura maia.

Chichén Itzá, ruínas maias muito bem conservadas que ficam entre Mérida e Cancún

Uxmal e Kabah

A 80 quilômetros ao sul de Mérida, nas serras Puuc, estão as ruínas maias de Uxmal, onde se destacam as numerosas imagens do deus Chac, deus da chuva, que são encontradas em muitos lugares. Outro atrativo é a Pirâmide do Feiticeiro (chamada também Pirâmide do Adivinho ou do Mago), uma delicada construção com cantos arredondados e 39 m de altura, onde se conseguem as melhores vistas do conjunto. Tem ainda o Palácio do Governador, com uma esplêndida fachada de quase 100 metros de longitude; a Casa das Tartarugas, pelas engraçadas tartarugas gravadas nas padieiras; o Quadrângulo das Monjas, com cerca de 70 quartos; e o Jogo de Bola.
A 15 quilômeros de Uxmal encontram-se as ruínas de Kabah, em processo de restauração. A maior atração fica por conta do Palácio das Máscaras e sua imponente fachada com mais de 300 máscaras do mosaico do deus Chac.

Chichén Itzá

O maior atrativo da região é Chichén Itzá, a grande cidade maia do século VII, magnificamente conservada e situada quase na metade do trajeto entre Mérida e Cancún (a 200 quilômetros dessa última). No Templo de Kukulkán ou El Castillo, chama atenção, durante os equinócios de primavera e outono, a aparição de uma serpente em forma de sombra que ascende ou descende pela escada da Grande Pirâmide. No interior da construção foi onde se encontrou o trono do Jaguar Vermelho com olhos de jade.
Nessas ruínas, o visitante poderá sentir muito de perto o espírito dos antigos maias na magnífica área do Jogo de Bola, a maior e mais conservada; no impressionante Observatório; na enigmática figura de Chac Mool; no Cenote, o poço onde jogavam as oferendas; na Casa Colorada; no Templo do Venado; na Casa das Monjas ou no Grupo das Mil Colunas.

Valladolid

Finalmente, completando essa viagem pela Península de Yucatán, no oriente do Estado de Yucatán, rumo ao Mar Caribe, encontra-se Valladolid, uma belíssima povoação colonial fundada faz 450 anos. É a segunda cidade mais antiga do estado. Nela se encontram formosas construções, como o ex-Convento de São Bernardino de Siena e o Convento de Sisal, ambos do século XVI; a Catedral de San Gervasio; o Bairro da Candoária; o Bairro de Santa Ana; o Museu de São Roque e outras tantas construções que remetem ao seu rico passado histórico. É também em Valladolid que estão os dois reservatórios de água em cavernas mais impressionantes do estado: X´kekén – ou Dzitnup – e Zaci, onde as formações rochosas criaram lendas que se tornaram crendices da população nativa.

O poço Zací, em Valladolid, tem mais de 80 metros e possui diversas lendas, que são defendidas pela população local. Segundo uma delas, quem se banha das águas se purifica. O rito é maia, espelhado no Cenote Sagrado de Yucatán