Habitação

Revista Mercado Edição 36 - novembro 2010

Cuidados na compra da casa própria

DA Link Portal

A casa própria é o sonho de muitas pessoas, porém, a aquisição de um imóvel pode se tornar um tormento aos desavisados, portanto, antes de fechar um negócio, é preciso cautela

Recente pesquisa realizada pela Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências (AMSPA) revela que mais de 400 imóveis são colocados em leilão via web todos os meses pela Caixa Econômica Federal (CEF), somente no estado de São Paulo. Das casas próprias colocadas à venda na Internet, 99% estão ocupadas e a maioria dos seus donos luta na justiça para revisar seus contratos. “Caberia à CEF a entrada de uma ação de posse do imóvel, via cartório, contra o mutuário ocupante. Como o agente financeiro não realiza o procedimento, a responsabilidade da desocupação fica a cargo do novo proprietário da residência”, esclarece o presidente da AMSPA, Marco Aurélio Luz.
Marco Aurélio explica que por causa de problemas como esse é importante que o comprador tenha muita atenção no momento da aquisição da casa própria. “Antes de fechar a compra de um imóvel é necessário analisar se terá condições de pagar as prestações. O ideal é que o parcelamento não ultrapasse 30% da renda familiar. O cálculo deve constar desde a primeira parcela até o último pagamento. Tomando esses cuidados, o proprietário evita problemas futuros de inadimplência que podem levar à perda da moradia”, diz.

Marco Aurélio Luz, presidente da AMSPA: “É possível pedir uma planilha com a projeção de todas as parcelas até o final do financiamento e, com isso, evitar surpresas”

Para ele, também é essencial averiguar se o valor da taxa de juros do contrato está dentro do limite permitido pelo mercado, que hoje é de 12% ao ano. “É possível pedir uma planilha com a projeção de todas as parcelas até o final do financiamento e, com isso, evitar surpresas”, explica. Ele acrescenta que o comprador deve também ter ciência de que quanto maior o prazo de financiamento mais irá pagar pelo imóvel, pensar na estabilidade no emprego e verificar se, em caso de perda da ocupação, terá auxílio desemprego ou outra fonte de renda para quitar as parcelas. Dessa forma, certamente evitará danos futuros no sonho da casa própria.

Leilão da casa própria – Marco informa ainda de outros cuidados necessários, antes de fechar o contrato, para quem pretende comprar um imóvel em um leilão. O primeiro deles é saber se o imóvel ainda está ocupado: “mesmo com uma carta do arrematador, o novo dono pode enfrentar a demora na justiça para despejar os antigos donos. Para não ocorrer esse risco é bom dar preferência aos bens desocupados”, observa. A segunda providência é averiguar se há ações judiciais com relação à casa leiloada, “o que leva à obtenção de liminares do anterior proprietário para resolução da correção das parcelas ou à cobrança de juros sobre juros dos seus contratos e, consequentemente, mais espera para tomar posse do bem”, justifica.
Marco Aurélio ressalta que, além dessas precauções, é necessária uma visita com antecedência ao imóvel pretendido para apurar suas condições; o levantamento de dívidas deixadas pelo ocupante, pois a quitação ficará a cargo do comprador, que poderá pedir o desconto no momento da compra; avaliar as condições de venda e registrar a propriedade após o arremate. Um advogado pode sanar dúvidas.
Para o presidente da Associação dos Mutuários, o interessado na compra do imóvel deve se certificar ainda sobre a descrição das condições de venda, o estado de conservação, a forma de pagamento, o preço mínimo, a comissão do leiloeiro, os impostos e o modelo de contrato que será assinado pelas partes: “tudo isso pode ser encontrado no edital”, evidencia. Segundo ele, o pretendente precisa levantar dívidas antigas, checar documentos, estudar as melhores formas de pagamento e ler com atenção todas as regras do edital.

Alerta - De acordo com Luz, a retomada de um imóvel por falta de pagamento definitivamente tornou-se um negócio mais lucrativo para os bancos que o próprio financiamento. É cada vez maior o número de investidores atraídos pelo baixo preço dos imóveis que procuram uma grande oportunidade de negócios por meio de leilões.

“Na batida do martelo, arrematar o sonho da casa própria, que para o mutuário se transformou em tormento, é um bom exemplo de como o investidor pode se beneficiar do jogo do quem dá mais. Alguns imóveis chegam a ser ofertados por um preço até 50% menor que seu valor de mercado”, revela Marco Aurélio Luz.
Ele explica que o preço baixo, sem dúvida, é o grande atrativo para a aquisição de um imóvel em leilão. Outra vantagem para o arrematador é não ter que cumprir as exigências burocráticas dos agentes financiadores. “Comprando uma casa em um leilão, o financiamento é automático e para o agente financiador resta a vantagem dos altos lucros”, denuncia o presidente da AMSPA.