Investimentos

Revista Mercado Edição 45 - setembro 2011

BP Brasil anuncia usina de 1,1 bi em Tupaciguara

Da Redação

O governador Antonio Anastasia com o presidente da BP Brasil, Mario Lindenhayn; e, mais ao fundo, a secretária de Desenvolvimento Econômico, Dorothea Werneck; o secretário de Ciência e Tecnologia, Narcio Rodrigues; e o prefeito de Tupaciguara, Alexandre Berquó; durante a reunião que oficializou a implantação da usina da British Petroleum em Tupaciguara

A nova usina de álcool e açúcar deve gerar 2,4 mil empregos diretos e cerca de 6 mil indiretos; expectativa é de que esteja em pleno funcionamento até 2015

A British Petroleum no Brasil (BP Brasil) anunciou a decisão de construir em Tupaciguara, no Triângulo Mineiro, uma nova usina de açúcar e álcool num investimento que vai custar R$ 1,14 bilhão. O comunicado foi feito no final de agosto, durante reunião relizada no Palácio Tiradentes, em Belo Horizonte, sede do governo de Minas Gerais. Estavam presentes, além do governador Antonio Augusto Anastasia; a secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico, Dorotéa Wernec; e de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues; o prefeito de Tupaciguara, Alexandre Berquó; e o diretor da BP Brasil, Mario Lindenhayn. Conforme anunciado, assim que estiver em pleno funcionamento, em 2015, a usina terá capacidade para processar 5 milhões de toneladas de cana por ano e gerar aproximadamente 2,4 mil empregos diretos e cerca de 6 mil indiretos.
Segundo informações, o assunto da construção dessa destilaria pela BP Brasil estava sendo “guardado a sete chaves”, mas com o fim das negociações entre a BP e o Governo de Minas, foi possível oficializar a decisão. Essa será a primeira usina sucroalcooleira construída pela British no país, que adquiriu, também, unidades do Grupo CNAA em Ituiutaba, Campina Verde e Itumbiara-GO, visando a expandir suas atividades no Triângulo Mineiro. Segundo informou o diretor do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi-MG), Maurício Cecílio, a BP Brasil investiu mundialmente R$ 2 bilhões em pesquisas de sustentabilidade. “Para Tupaciguara, foi feito um estudo para a chegada ao município da empresa, que pretende minimizar o impacto social e ambiental na região”, afirmou o diretor do Indi-MG.
Com a capacidade de moagem de 5 milhões de toneladas de cana por ano, a usina irá produzir, além de açúcar e etanol, também energia elétrica a partir da queima do bagaço da cana. Para o prefeito de Tupaciguara, Alexandre Berquó, esse investimento da BP Brasil deverá dobrar o orçamento do município, a partir de 2017, que hoje está em torno de R$ 35 milhões por ano. “Essa arrecadação, que virá alguns anos depois do início das atividades da usina, será muito importante para nós, aliada à geração de emprego e renda”, ratificou.

O prefeito de Tupaciguara, Alexandre Berquó, destaca a injeção orçamentária que se dará no caixa do município e a geração de milhares de empregos com a implantação da usina da BP Brasil na sua região

Segundo Berquó, a opção da British Petroleum por Tupaciguara para sediar o que ele classifica de megausina não foi por acaso, mas fruto de meses de estudos logísticos e por causa de Tupaciguara ter se credenciado junto ao Governo de Minas como cidade estratégica em Energias Renováveis, Polo Aeroespacial e Complexo Aeronáutico. “Temos a localização privilegiada, a vontade de realizar, as condições técnicas e, acima de tudo, relacionamento político”, justificou o prefeito para então destacar a participação do secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, e do deputado estadual Zé Maia. “O Narcio e o Zé Maia têm feito por Tupaciguara o que ninguém fez nos quase 100 anos de nossa cidade”, observou.

Anúncio em Tupaciguara

No dia seguinte à reunião no Palácio Tiradentes, em Belo Horizonte, foi a vez de o prefeito Alexandre Berquó comunicar oficialmente a construção da usina de BP Brasil à população de sua cidade. A reunião aconteceu no auditório da Prefeitura e contou com a presença de mais de 500 pessoas, além de políticos, representantes de classe e empresários. Também se fizeram presentes o secretário Nárcio Rodrigues, o deputado Zé Maia e o diretor do Indi-MG, Mauricio Cecílio.
Mais uma vez, Mauricio Cecílio destacou que o investimento da British Petroleum vai proporcionar 500 empregos diretos apenas na área industrial, “e todos empregos de qualidade”, reitera o diretor do Indi-MG, que foi quem conduziu durante meses toda a negociação.
Por sua vez, o secretário Narcio Rodrigues não escondia a satisfação pela conquista do investimento para Tupaciguara. Para tanto, se ateve a destacar os números do investimento. “A melhor explicação para a importância dessa megausina é citar seus números: R$ 1.14 bilhão de investimentos, o equivalente a 33 vezes o orçamento anual de Tupaciguara; 2.400 empregos diretos, sendo que, destes, 500 apenas no setor industrial; e uma capacidade de moagem de 5 milhões de toneladas”, enfatizou.

O diretor do Indi-MG, Maurício Cecílio, foi o condutor das negociações com a BP Brasil para a instalação da usina sucroalcooleira em Tupaciguara

Narcio destacou ainda o empenho do Governador Antonio Anastasia, explicando que ações políticas e administrativas como esta da BP Brasil em Tupaciguara têm o objetivo de valorizar as cidades pequenas, o que tem sido feito em todas as regiões de Minas. Para finalizar, ele concluiu mencionando outras conquistas para o município, como o Centro de Energias Renováveis, numa parceria com o Instituto Federal do Triângulo Mineiro, com foco em energia eólica (ventos); o Polo Aeroespacial, parceria entre o Governo de Minas e o Instituto de Estudos Avançados (IEAv) do Ministério da Aeronáutica; e o complexo aeronáutico, parceria entre a Universidade Federal de Uberlândia, o Governo de Minas e a empresa Axis Aerospace, que vai fabricar em base instalada em Tupaciguara o avião Tupã, dentre outros projetos.