Matéria de Capa 2

Revista Mercado Edição 44 - agosto 2011

Araguari, uma terra de oportunidades

Por Enivaldo Silva

Município completa 123 anos de história e se consolida como um “bom lugar para se investir”

A presença de empresas e marcas como Maguary, Dafruta – essas duas da Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos (EBBA) -, Total Frios, Selecta, BUNGE, ADM, Vasconcelos, Mataboi e muitas outras grandes do setor de transformação de matéria-prima originária do agronegócio e, agora, um grande investimento da Vale S/A na construção de um terminal de transbordo são só alguns exemplos do potencial empreendedor característico do município de Araguari, que neste dia 28 de agosto completa 123 anos de história.
As referidas empresas citadas anteriormente, todas gigantes do setor produtivo, são seguidas de uma cadeia de outras empresas de médio e pequeno portes que colaboram para que Araguari ocupe hoje a 23ª posição no ranking das maiores cidades mineiras, entre 853, e o 3º lugar na região do Triângulo Mineiro. Economicamente, está em 227° no ranking dos municípios brasileiros (PIB), à frente de outros 5.338.

Unidade Industrial da EBBA - sucos Maguary e Dafruta - em Araguari

Segundo dados da Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Araguari registrou em 2010 a abertura de 927 novas empresas, contra 748 em 2009, ou seja, 25 % a mais. São dados que confirmam a vocação do município para atrair empreendimentos, mesmo quando muitos outros estiveram estagnados.

Novos investimentos

Atualmente, um dos mais importantes investimentos privados em andamento é o da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), controlada pela Vale S/A. Serão R$ 30 milhões aplicados na construção de um terminal de transbordo de grãos, armazéns de carga e descarga, escoamento e processamento de fertilizantes. A estrutura está em implantação às margens da Ferrovia Araguari-Celso Bueno, com acesso pelas proximidades do Posto da Polícia Rodoviária Federal, BR-050, saída para Uberlândia, numa área de 45 hectares, adquirida por R$ 3,8 milhões.
O investimento da Vale deve provocar, a pedido da própria empresa, a abertura de uma escola técnica para formação e qualificação de mão de obra destinada à implantação e operação do empreendimento. A previsão é de que sejam criados mais de 500 empregos diretos e outros 1.000 indiretos. Prestadores de serviço para a companhia também vão se instalar no município.
Outro destaque fica por conta da Usina Araguari, investimento de R$ 500 milhões, também em andamento e o maior da atualidade. A empresa, que vai produzir etanol e açúcar, já cultiva extensas áreas de cana-de-açúcar em áreas próprias e de terceiros, inclusive em municípios vizinhos.

A rua Marciano Santos, centro comercial de Araguari, que irá sediar as Lojas Americanas na cidade

Quem também anunciou investimento em Araguari foi o grupo proprietário das Lojas Americanas, que terá loja instalada na Rua Marciano Santos, no centro comercial da cidade.
Outra previsão está na construção de uma fábrica de cimento em área rural próxima ao Distrito de Amanhece, decorrente de significativo investimento privado do Grupo Lafarge, proprietário dos cimentos Montes Claros e União.
Outro sinal de prosperidade tem a ver com o Distrito Industrial do município, que terá sua área ampliada em 61.528 m² para a instalação de novas indústrias.
Por conta de todas essas perspectivas de investimentos, entre outros, e de crescimento da cidade, o aeroporto local – o Santos Dumont – já é visto como opção para construção de hangares por empresários da região, considerando que o espaço no Aeroporto de Uberlândia, cidade maior e mais próxima, é cada vez mais escasso e caro. Também alguns empresários já têm estudos em andamento para montar bases operacionais para suas aeronaves no Santos Dumont.

O Aerporto Santos Dumont, de Araguari, que deverá receber melhorias para se adequar às atuais demandas da cidade

Com isso, uma movimentação financeira cada vez mais intensa, quem novamente abre as portas em Araguari é a Receita Federal, depois de 12 anos fechada. A inauguração está marcada para o dia 29 de agosto. Desde o fechamento, quando o governo federal decidiu reduzir o número de agências no país, políticos e entidades representativas do comércio, como o Sindicato dos Contabilistas, Câmara de Dirigentes Lojistas e Associação Comercial e Industrial vinham cobrando a volta do atendimento local, eliminando a necessidade de deslocamento até Uberlândia, onde fica a unidade mais próxima da Receita Federal.

Localização privilegiada

A “cidade sorriso” avança na atração de novas e importantes empresas, mas continua mantendo o título de terra do café, considerado um dos melhores do mundo. O fruto ainda representa algo próximo a 60% do seu Produto Interno Bruto (PIB), segundo dados da Associação dos Cafeicultores de Araguari (ACA), mantendo cerca de 1.500 postos de trabalho na entressafra e aproximadamente 6.500 empregos diretos no período das colheitas. A média de produção é alta, em média 38,8 sacas por hectare, superando a média de 28,9 sacas por hectare do próprio estado de Minas Gerais, o maior produtor nacional. Tal rentabilidade se deve graças principalmente à tecnologia e a eficiência no manejo, combinadas com irrigação de 90% da área plantada. Porém, Araguari também se destaca na produção de soja, cana-de-açúcar, milho, feijão e arroz, sendo o maior produtor de tomate de mesa de Minas Gerais e um dos maiores do país.

Lavoura em fazenda de café de Araguari: produto ainda responde por 60% do PIB do município

À medida que a tecnologia no campo avança, a cidade abre fronteiras e atrai novos investidores, despertando cada vez mais o interesse das grandes empresas, principalmente as ligadas à transformação de matéria-prima derivada do agronegócio.
A localização estratégica e privilegiada reforça sua importância no cenário econômico. É dona de importante entroncamento rodo-ferroviário, que permite sua perfeita ligação com Norte, Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país, facilitando o escoamento das cargas aos portos de Santos, Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Vitória, Tubarão, Sepetiba e Paranaguá. Essa condição foi crucial na decisão da Vale, por meio da FCA, de construir no município, segundo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Araguari, o maior terminal de transbordo da América Latina.
A duplicação da Rodovia BR-050 até a divisa de Goiás traz perspectivas favoráveis para o desenvolvimento industrial e do agronegócio porque facilita o escoamento da produção e encurta o tempo de chegada desses produtos em seus destinos de consumo.

Educação e segurança

No quesito segurança, os avanços de Araguari também são grandes. Sonho perseguido desde a época em que o “saudoso” deputado Raul Belém era o maior expoente da política local, a companhia de Polícia Militar foi transformada em Batalhão, o que possibilitou aumento do número de policiais e deu mais autonomia para o comando local da PM. Ruas com traçados planejados permitem rápido deslocamento, garantindo, por exemplo, atendimento de ocorrências de bombeiros em tempo médio de seis minutos.
Na educação, tem tradição de boas escolas de nível médio e profissionalizante. Mas foi a presença da Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) que fez com que os araguarinos, dispostos a deixar a cidade para proporcionar aos filhos melhores condições para ingresso e conclusão de cursos universitários, mudassem de estratégia, permanecendo em sua cidade de origem. Invertendo a posição, o município, que mandava seus jovens para outras cidades, principalmente Uberlândia e Catalão (GO), agora atrai estudantes de todas as partes do país interessados em cursos como medicina, direito, economia, enfermagem, ciências biológicas, sistemas da informação e diversos outros.
A recém-adquirida vocação para polo de ensino superior é reforçada pela recente criação de um campus da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) na cidade. O Centro Universitário do Triângulo (Unitri) tem uma área doada pelo município para reinstalar seu campus e, embora anda não tenha construído o prédio, não descartou a possibilidade do investimento no município.
Além disso, em termos de educação, outras instituições de ensino superior também estão presentes na cidade com cursos presenciais ou a distância.

A Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) ajudou a manter estudantes araguarinos na cidade, além de atrair outros de outras regiões

O empresário Tubertino Sena Pereira está investindo na construção de uma galeria comercial na cidade, que terá cerca de 20 lojas

Comércio pujante

O comércio genuinamente araguarino também avança. Lojistas investem cada vez mais em novas fachadas e vitrines, ampliam prédios, adquirem novas áreas e melhoram a qualidade do serviço para fidelizar clientes. Travam uma concorrência acirrada com as grandes redes de varejo e apostam principalmente no atendimento personalizado. O resultado é o crescimento continuado, como revela Tubertino Sena Pereira, proprietário de um dos maiores supermercados da cidade. De olho nas oportunidades, o empresário está concluindo a construção de uma galeria comercial que terá um contingente inicial de 20 lojas. “Saímos de 1.500m² para 4.700m². Dentro desse projeto estamos fazendo uma galeria de 20 lojas que contemplarão farmácia, loteria, restaurante, lanchonete, salão de beleza, ou seja, um mini-shopping que entrará em funcionamento no ano que vem. Tudo isso porque acreditamos no potencial da cidade”, diz Tubertino. O empresário observa que a renda das pessoas melhorou de forma significativa, por isso elas estão gastando mais. “A cidade vive uma fase muito boa, gerando empregos, tanto que às vezes temos dificuldades para contratar funcionários”, conta.
A presença de grandes redes do varejo, antes vista com desconfiança pelos comerciantes locais, hoje é considerada como benéfica e necessária. Para Tubertino Sena, é sinal de avanço. “Primeiro, porque demonstra que a cidade está crescendo merecidamente e, segundo, porque incentiva a empreender, a melhorar a prestação de serviços. É o nosso caso, a chegada de um grande do setor nos animou a crescer, aproveitar a experiência que ele trouxe e melhorar para atender a exigência do nosso cliente”, conclui.

O presidente da CDL, Sebastião dos Santos Totó, diz que a “chegada de grandes empresas e das universidades demonstram esse momento de crescimento de Araguari”

A relação com Uberlândia, a maior cidade do Triângulo Mineiro, até pouco tempo tida como de concorrência, agora é vista e explorada como oportunidade. Agora, o relacionamento comercial e de trabalho entre as duas cidades é intenso. Somente a Expresso Araguari, concessionária da linha intermunicipal, transporta em média de 2.500 passageiros diariamente entre as duas cidades. Sandro Vieira Machado, gerente da empresa em Araguari, estima que 80% são trabalhadores. Empresas de call center, do agronegócio como usinas e hortifrutigranjeiros, construção civil e prestação de serviços que importam mão de obra de Araguari, que por sua vez, também contrata profissionais e serviços da sua vizinha mais próxima. Há de se levar em conta que boa parte desses trabalhadores utiliza veículos próprios ou das empresas contratantes, dispensando os ônibus.
Sebastião dos Santos Totó, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Araguari, confirma e aposta neste mix de oportunidades. “A duplicação da BR-050 tem papel fundamental nesse sentido. Precisamos entender que Araguari e Uberlândia são cidades unidas pelas fortes relações comerciais. Essa ligação é muito saudável, inclusive é tema importante no entendimento das nossas CDLs. Para nós, a chegada de grandes empresas e das universidades demonstra esse momento de crescimento de Araguari”, reitera Totó.
Além de presidente da CDL, Totó é dono de uma seguradora. Ele revela que a demanda por seguros cresceu em larga escala nos últimos anos. “É o reflexo do visível crescimento da cidade. Outro medidor importante é o aumento nas consultas ao Sistema de Proteção ao Crédito, em torno de 15%, registrado pela CDL. Esses dados são confirmados também pela Federação do Comércio de Minas Gerais (Fecomécio)”, explica o presidente/empresário.

Duas mil novas moradias acabam de ser construídas pelo Minha Casa Minha Vida para atender o ritmo de crescimento da cidade

Antônio Carlos Antonieti, empresário no setor da construção civil, diz que a cidade se tornou um canteiro de obras e que os negócios vão de vento em popa

Por conta do desenvolvimento, a construção civil vive um longo período de graça. Desde a construção das usinas hidrelétricas Amador Aguiar I e II, não há crise no setor e a mão de obra é cada vez mais disputada entre os contratantes. Surgem novos loteamentos que atendem a uma demanda reprimida de moradias. Investimentos em casas populares com recursos dos governos federal e estadual, aliados aos investimentos privados, aquecem o mercado imobiliário local. Só o programa Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal, proporcionou a construção de mais de duas mil moradias. Por outro lado, imóveis destinados às demais classes sociais são construídos e comercializados em curto espaço de tempo.
Antônio Carlos Antonieti, dono de uma rede de lojas de materiais para construção, percebeu esse momento e investiu também em uma construtora. O primeiro loteamento foi sucesso absoluto. E os negócios andam de vento em popa. O faturamento referente à venda de materiais de construção aumentou em larga escala. “O mercado da construção civil está em alta. A cidade é um canteiro de obras. Só não trabalha quem não quer. Temos falta, por exemplo, de engenheiros civis, que já estão saindo das faculdades empregados. O Minha Casa Minha Vida valorizou os imóveis de todas as classes sociais. Fizemos uma experiência, o lançamento de um loteamento, que mesmo antes da conclusão de infraestrutura, está praticamente todo vendido. Temos conhecimento de que os demais loteamentos lançados na cidade também são vendidos rapidamente. Araguari é uma cidade de oportunidades”, informa o empresário.
Por tudo isso, o otimismo que reina no atual momento indica que a crise que ameaça a estabilidade da economia mundial passa longe de mexer com a autoestima do cidadão araguarino. Aos 123 anos de emancipação político-administrativa, Araguari vive um de seus melhores momentos, com a autoestima de seu povo em elevação e boas perspectivas para um futuro promissor.