Matéria de Capa

Revista Mercado Edição 53 - agosto 2012

A “olímpica” Uberlândia festeja aniversário

Por Evaldo Pighini

O município completa 124 anos no dia 31 deste mês já em ritmo olímpico, por causa da presença na cidade do Centro Nacional de Treinamento de Atletismo do Clube Sesi Gravatás e da realização dos próximos jogos olímpicos mundiais no Brasil, em 2016

No mês em que completa 124 anos de existência, Uberlândia ganha como presente de aniversário o status de cidade olímpica, pois desde o momento em que foram encerradas as olimpíadas de Londres, imediatamente começou a contagem regressiva para a realização dos jogos olímpicos no Brasil, daqui a quatro anos. O maior evento esportivo do mundo, embora tenha o Rio de Janeiro como sede em nosso país, terá, até a data de sua realização, a cidade de Uberlândia como coadjuvante. Isso graças à presença do Centro Nacional de Treinamento de Atletismo (CNTA) do Clube Sesi Gravatás que, além da moderna e excelente infraestrutura para prática esportiva, conta ainda com uma pista olímpica projetada conforme as regras oficiais da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e aprovada pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF). Por isso, o CNTA do Sesi Gravatás figura na lista do Rio 2016 como um dos centros brasileiros aptos para receber atletas e delegações, visando à conquista de índices e também à preparação para os Jogos Olímpicos no Brasil. Assim, a partir do encerramento dos jogos de Londres, os holofotes esportivos mundiais se voltam para o Rio de Janeiro e algumas dessas luzes certamente irão também focar Uberlândia.
“O Clube Sesi Gravatás espera receber várias delegações olímpicas que necessitem de um espaço completo para a prática esportiva. Inclusive, já temos recebido visitas de países interessados em nossa estrutura”, informa o gerente da unidade, José Augusto Trani.

O gerente do Clube Sesi Gravatás, José Augusto Trani, confirma visitas de representantes de países interessados na estrutura do CNTA em Uberlândia, já com vistas às olimpíadas de 2016 no Brasil

Mas não é de agora, com o início da contagem regressiva para os Jogos Olímpicos Rio 2016, que Uberlândia, pujante – permitam esse adjetivo neste mês de festa – por sua grandeza, e reconhecida por causa de seus elevados índices econômicos e sociais, é destaque nacional e internacional. A cidade, a partir de 2006, com a inauguração da pista olímpica do Sesi Gravatás, que culminou com a transformação do local em centro de treinamento de atletismo, já vem sendo notícia no mundo inteiro por ser a sede de vários eventos esportivos nacionais e internacionais de cunho olímpico, entre os quais o Meeting Internacional, que ocorre sempre no mês de maio, e recebe o nome de Grande Prêmio Caixa Sesi de Atletismo, com organização da CBAt, que reúne atletas de ponta do Brasil e do exterior.

O moçambicano Kurt Couto, nos 400 m com barreiras masculino: prova disputada e vencida por esse africano no último GP Internacional Caixa/Sesi de Atletismo, realizado no CNTA do Sesi Gravatás de Uberlândia

Para se ter ideia, apenas neste ano, o 6º Grande Prêmio Internacional Caixa Sesi de Atletismo 2012 reuniu em Uberlândia mais de 120 atletas de 23 países. O Meeting correspondeu à terceira etapa do Brazilian Athletics Tour, principal circuito do Atletismo latino-americano da temporada. Entre os atletas de destaque, nomes importantes do esporte mundial, como o da cubana Ypsi Moreno, dona de quatro medalhas em mundiais, duas vezes vice-campeã olímpica e tricampeã pan-americana no lançamento do martelo feminino. A ela juntaram-se na mesma prova a norte-americana Jessica Cosby (número 5 do mundo) e a moldava Mariana Marghieva (18º no ranking). O norte-americano Lauryn Williams foi outro atleta com grandes conquistas a competir em Uberlândia. Com um ouro no Mundial e uma prata em Olimpíada nos 100 m, ela já fez a prova em 10s88 e os 200 m em 22s27. O também norte-americano Kerron Clement foi outra atração. Nos 400 m com barreiras, ele tem um bicampeonato mundial e uma prata olímpica nos 400 m rasos. De Cuba, vieram para a disputa no salto triplo, Alexis Copello e o seu compatriota Osviel Hernandes, respectivamente número 5 e 1 do mundo, até a data do Meeting realizado em Uberlândia (mês de maio de 2012).

O atleta de Trinidad e Tobago, Emmanuel Callender, é outro “internacional” que esteve competindo em Uberlândia, no GP Caixa Sesi de Atletismo. O trinitino foi ouro nos 100 m rasos

Antes, em 2011, o evento havia trazido a Uberlândia 11 atletas top 10 no ranking mundial do ano anterior da IAAF. No total, foram nada menos que 54 ranqueados entre os 50 melhores do mundo (25 homens e 29 mulheres), representando 22 países que estiveram no evento, entre os quais, nomes como o do bahamense Michael Matheiu, um dos melhores do mundo nos 200 metros, e que esteve em Londres representando o seu país. Além de Matheiu, vieram ainda o tadjique Dilshod Nazarov, número 4 do mundo em 2010 no lançamento do martelo masculino; o britânico Dwain Chambers, 13º do mundo nos 100 metros rasos; a cubana Ypsi Moreno e a romena Bianca Perie, números 5 e 9, respectivamente, no ranking mundial no martelo feminino; e as etíopes Almaz Ayana e Mekedes Bekee, colocadas entres as 10 melhores do mundo em 2010 nos 3.000 metros com obstáculos.

Da Bielorrúsia para Uberlândia: o atleta Siarhei Kalamoets, durante o lançamento do martelo masculino, prova que disputou no último GP Caixa/Sesi em Uberlândia

Diante dessa internacionalidade de atletas competindo em Uberlândia, o Centro Nacional de Treinamentos de Atletismo do Clube Sesi Gravatás possibilitou a propagação do nome da cidade, através da mídia esportiva, a cinco continentes do planeta. Nunca Uberlândia foi tão evidenciada internacionalmente. Considerando apenas o último GP Internacional Caixa/Sesi de Atletismo, realizado em maio deste ano, no mínimo o nome de Uberlândia foi falado e ouvido nos países de origem dos atletas participantes, entre os quais nações como Estados Unidos, Cuba, Bielorrússia, Argentina, Quênia, Marrocos, Moldávia, Bahamas, Inglaterra, Trinidad e Tobago, Portugal, Etiópia, Nigéria, Moçambique, Uruguai, Colômbia, entre outros.

A atleta brasileira do arremesso de peso feminino, Geisa Arcanjo, que se tornou a primeira brasileira finalista olímpica da prova nos Jogos de Londres: ela, que é do interior paulista, mora em Uberlândia e treina no CNTA do Sesi Gravatás

Além das estrelas internacionais, atletas brasileiros que também são destaque lá fora já estiveram competindo em Uberlândia. Jadel Gregório e Maurren Maggi, ambos de renome internacional e medalhistas no salto triplo, e Sabine Heitling, corredora dos 3.000 metros com obstáculos e dona de duas medalhas nos Jogos Pan-Americanos são alguns exemplos. Outro nome a ser citado é o de Geisa Arcanjo, do arremesso de peso, que detém o recorde brasileiro sub 23 da prova. Aliás, essa atleta não só competiu em Uberlândia, como decidiu morar e treinar na cidade, no Centro de Treinamento do Clube Sesi Gravatás.
Assim como Geisa, atualmente moram e treinam no Clube Sesi Gravatás 20 atletas da elite esportiva brasileira. Além destes, outros 30 do mesmo nível adotaram o local como centro de treinamento. Esses atletas contam com hospedagem, alimentação, transporte, fisioterapia e assistência médica e psicológica.

Centro Nacional de Treinamento de Atletismo do Clube Sesi Gravatás

O Clube Sesi Gravatás foi inaugurado em Uberlândia no ano de 1995. Foi no início da década de 2000 que começaram as reformas do local para sua ampliação e adequação, e em que foram gastos mais de R$ 7 milhões. A construção do complexo esportivo, inaugurado em 2006, foi possível graças a uma parceria entre os governos federal, estadual e municipal com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG).
Atualmente, o Sesi Gravatás possui uma estrutura capacitada para oferecer treinamentos e jogos de basquetebol, handebol, voleibol, atletismo, vôlei de praia, futebol de 5 e basquetebol em cadeira de rodas, além de contar com a experiência em sediar eventos esportivos nacionais e internacionais.
O local conta com três quadras poliesportivas, pista de atletismo, quatro quadras de vôlei de praia, salas de condicionamento físico e musculação, primeiros socorros, tratamento médico, fisioterapia e massagem, saunas seca e a vapor, além de sala de reunião com equipamentos multimídia e sala privada para a gerência da delegação. Há ainda restaurante, lanchonete e área de descanso. O acesso é controlado por uma equipe de segurança. O Clube Sesi Gravatás tem 33.000 m² de área construída e 80.000 m² de área total.
Em toda a estrutura do Sesi Gravatás, destaque para a pista olímpica, a primeira Classe 1 de Minas Gerais e uma das três únicas do Brasil e entre quatro da América do Sul em condições de homologar recordes internacionais. Por suas características (padrões e dimensões), a pista é dotada de oito raias de 1,22 m de largura cada uma, de acordo com as normas oficiais da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAT) e da Associação Internacional de Atletismo (IAAF). São 8.400 m² de piso sintético, inclusas as áreas adjacentes para saltos, arremessos (peso, dardo e martelo), steeple chase (corrida de obstáculos) e pista de aquecimento.

A pista olímpica do Sesi Gravatás de Uberlândia é a primeira e única Classe 1 de Minas Gerais e uma das três do Brasil, entre quatro da América do Sul, em condições de homologar recordes internacionais

Adria Santos deu nome à pista

Quando de sua inauguração, a pista de atletismo do Sesi Gravatás recebeu o nome da atleta paraolímpica Adria Santos, 31 anos, que tem uma trajetória esportiva que somente os maiores ídolos mundiais conquistaram. Ela nasceu com deficiência visual e até os 18 anos tinha dez por cento da sua visão. A deficiência, entretanto, não foi empecilho para a menina, que desde sempre gostou de correr. Ela começou no atletismo em 1987, quando fez um teste numa associação em Minas e passou. No mesmo ano, participou de uma prova de 400m e venceu. A mineira, que atualmente mora em Joinville (SC), é especialista nos 100, 200 e 400 metros rasos, sendo a brasileira com mais medalhas paraolímpicas na história e com reconhecimento mundial.

A velocista paraolímpica brasileira Adria Santos foi homenageada, dando o seu nome à pista do Sesi Gravatás

Aliás, quem bem definiu a importância da certificação de um centro para treinamento de esportes olímpicos em Uberlândia foi o então presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro, Vital Severino Neto. “Com a criação deste espaço para atletas com e sem deficiência, considerando ambos como esportistas de alto rendimento, será possível trazer um pouco mais de igualdade para o esporte brasileiro. A preocupação do Sesi com a inclusão social sempre foi evidente. Prova disso é o apoio que a instituição dá ao esporte paraolímpico. Essa obra é mais um grande passo à frente nesse processo”, comentou Neto, em visita feita ao Sesi Gravatás. Uma feliz definição complementada pelo depoimento de Antônio Eduardo Muzzi, que na época da inauguração do complexo esportivo ocupava o cargo de gerente de Esportes e Lazer do Sesiminas. “Queremos contribuir para a formação da base esportiva brasileira. A intenção é ser uma referência de formação esportiva e de competições de alto nível no país e no mundo”, disse Muzzi, referindo-se ao local como um novo núcleo nacional de desenvolvimento do esporte olímpico, sem abrir mão do aspecto social, por meio da implantação das escolas de esporte.
Um dos grandes incentivadores da construção dessa mega estrutura do Sesi Gravatás, em Uberlândia, o presidente da FIEMG Regional Vale do Paranaíba, Pedro Lacerda, diz que a implantação do projeto resultou em muitos benefícios para a cidade. “Além da estruturação e transformação dessa unidade do Sesi Gravatás em um local para abrigo e treinamento de atletas de alto nível, a construção do novo espaço possibilitou ainda a geração de vários empregos durante a obra e, depois, a geração do turismo esportivo, fazendo com que Uberlândia viesse a ser reconhecida como centro de excelência do esporte nacional e internacional”, observa. A essa afirmação, Pedro Lacerda acrescenta a importância social do conjunto da obra, que é atender cerca de 30 mil crianças e jovens de 7 a 19 anos para a formação de novos atletas e também pessoas portadoras de necessidades especiais.
Sobre Uberlândia, onde está situado o Clube Sesi Gravatás, a cidade fica no estado de Minas Gerais, região do Triângulo Mineiro, a 845 km do Rio de Janeiro, que será a sede dos Jogos Olímpicos 2016. Possui 604.013 habitantes (IBGE), e está situada a uma altitude média de 863 m acima do nível do mar. Entre suas atrações naturais, destacam-se os parques ecológicos, que, juntos, somam cerca de 2,8 milhões de metros quadrados de área verde.

Comitiva da FIEMG em visita posterior à inauguração da pista de atletismo do Sesi Gravatás. No centro (de paletó), o então presidente do Sistema FIEMG, Robson Braga, e ao seu lado, o presidente da FIEMG Regional Vale do Paranaíba, Pedro Lacerda, um dos grandes incentivadores da construção desse complexo esportivo em Uberlândia

Esportes oferecidos pelo Sesi Gravatás e especificações técnicas esportivas
Esportes Olímpicos
Atletismo Pista
Número de raias: 8
Número de raias na reta de chegada: 8
Refletores
Certificação da IAAF
Áreas para treinamento
Número de áreas de salto: 7
Número de áreas de lançamento/arremesso: 5
Basquetebol Número de quadras (28m x 15m): 1
Pé-direito: 8,95m
Piso flutuante de madeira
Linhas demarcatórias: linhas pintadas
Nível máximo de iluminação: 309lux
Equipamento de cronometragem
Handebol Número de quadras (40m x 20m): 1
Pé-direito: 8,95m
Piso flutuante de madeira
Tapete sintético
Linhas demarcatórias: linhas pintadas
Nível máximo de iluminação: 309lux
Voleibol Número de quadras (34m x 19m): 1

Pé-direito: 8,95m
Piso flutuante de madeira
Tapete sintético
Linhas demarcatórias: linhas pintadas
Nível máximo de iluminação: 309lux

Vôlei de praia Número de quadras de vôlei de praia 28m x 14m: 4
Refletores
Esportes Paraolímpicos
Atletismo Pista
Número de raias: 8
Número de raias na reta de chegada: 8
Refletores
Certificação da IAAF
Áreas para treinamento
Número de áreas de salto: 3
Número de áreas de lançamento/arremesso: 5
Basquetebol em cadeira de rodas Basquetebol em cadeira de rodas
Futebol de 5 Número de campos de grama sintética ao ar livre (38m x 20m): 2

.

Cidade tem outros atrativos para suporte às atividades olímpicas

Se a presença do complexo esportivo do Clube Sesi Gravatás, certificado também para funcionar como um Centro Nacional de Treinamento de Atletismo pela CBAt, por si só é suficiente para elevar através do esporte o nome de Uberlândia aos quatro cantos do planeta, a partir do momento em que a cidade passa a ser avaliada com vistas aos Jogos Olímpicos Rio 2016, surgem outras vertentes que tornam Uberlândia ainda mais atrativa para atletas e delegações estrangeiras interessados na disputa das olimpíadas no Brasil. O Complexo do Parque do Sabiá, o Praia Clube e o Centro de Treinamento do Uberlândia Esporte são exemplos.
A começar pelo Parque do Sabiá, o Complexo segue o modelo de grandes cidades brasileiras dotadas de complexos esportivos compostos por estádio multiuso e ginásio poliesportivo, o Sabiá e o Sabiazinho, algo parecido com o Rio de Janeiro, que tem o estádio do Maracanã e o ginásio do Maracanãzinho, com Belo Horizonte, com o Mineirão e o Mineirinho, mas com uma vantagem: a estrutura adjacente. O Complexo do Parque do Sabiá envolve uma área de 1.850.000 m² que, conforme informações da Prefeitura de Uberlândia, abrange também um bosque de 350.000 m² de área verde, um conjunto hidrográfico composto por três nascentes que abastecem sete represas e originam um grande lago e sete outros menores; um zoológico com animais em cativeiro de dezenas de espécies; uma estação de piscicultura com vários tanques, que servem para estocagem de matrizes, reprodução de peixes, estocagem de pós-larvas e alevinagem; um pavilhão de 1.080 m² de área construída, que comporta 36 aquários e 36 espécies diferentes de peixes, com valor econômico e ornamental; uma pista de caminhada de 5.100 metros de extensão; duas piscinas de água corrente; vários campos de futebol; cinco quadras poliesportivas; uma quadra de areia; um campo society de grama; um completo parque infantil, com mais de 100 brinquedos; conjuntos sanitários; vestiários esportivos; lanchonetes e vários recantos contemplativos, entre outras instalações.
Além disso, encontra-se em fase de construção um parque aquático que irá fazer parte do Complexo do Sabiá, especificamente destinado à prática e a competições esportivas. A estrutura contará com arquibancada para aproximadamente três mil pessoas, sanitários masculino e feminino para o público, vestiário com sanitário para atletas e árbitros, e outro para administração, uma piscina para aquecimento dos atletas e uma piscina olímpica aquecida, que segue todas as exigências da Federação Internacional de Natação (FINA), apta para sediar competições internacionais.

O complexo do Parque do Sabiá em Uberlândia: vista aérea do estádio, do ginásio, do bosque e do grande lago

Vista interna do ginásio Sabiazinho: um dos mais modernos do país e totalmente preparado para receber grandes competições nacionais e internacionais

Com relação ao Sabiazinho, o ginásio tem 10,5 mil m² de área construída, numa área total de 35 mil m². A estrutura é composta por quadra poliesportiva, arquibancada para 8 mil pessoas, tribuna de honra, sala de imprensa, bar, lanchonete, sanitários, alojamentos e vestiários. Tem ainda departamento médico, almoxarifado, setor administrativo, academia, salas de aula e espaços para exposições e atendimento às crianças e às pessoas da terceira idade, além de um amplo estacionamento.
Finalmente, a grande estrela do complexo é o estádio Parque do Sabiá, oficialmente denominado de Estádio Municipal João Havelange, que foi inaugurado em 1982, tem capacidade para 75 mil pessoas e estacionamento para 3 mil veículos, sendo, portanto, considerado um dos maiores do país.
A administração de todo ao Complexo do Parque do Sabiá está sob a responsabilidade da Prefeitura de Uberlândia.

O Praia Clube é um dos maiores e mais importantes clubes de esporte e lazer do interior brasileiro; o complexo impressiona pela multiplicidade estrutural

Praia Clube

Outra importante e adequada estrutura para a prática esportiva existente em Uberlândia é o Praia Clube. Fundado em 1935, ele ocupa uma área total de 301.000 m² distribuídos às margens do Rio Uberabinha, que corta a cidade. Esse complexo está dotado de salões de festas, restaurantes, lanchonetes, quadras esportivas, bosque, pista de atletismo, academias, saunas feminina e masculina, parques aquáticos e ainda um complexo de piscinas aquecidas. Destaque para o ginásio de quase 5 mil m² de área e capacidade para seis mil pessoas em pé ou duas mil sentadas. A administração do Praia Clube é privada.

O CT Ninho do Periquito, do Uberlândia Esporte, deve ser também considerado para período de adaptação e treinos por alguma seleção estrangeira de futebol visando aos Jogos Olímpicos Rio 2016

CT do Uberlândia Esporte

No que diz respeito a esportes olímpicos, o futebol não fica de fora. Nessa área, Uberlândia está bem servida e pode concorrer com outras cidades do país no que diz respeito a atrair seleções internacionais para adaptação e treinamento visando aos Jogos Olímpicos Rio 2016. Além do Complexo do Parque do Sabiá, a cidade passou a contar com o recém-inaugurado Centro de Treinamentos Ninho do Periquito, construído numa área de 193.600 mil m², que pertence ao Uberlândia Esporte. As instalações são modernas e contam com academia de musculação, refeitório, cozinha industrial, lavanderia, área de lazer, sala de jogos, dormitórios para atletas, rouparia, enfermaria, vestiário, complexo de piscinas, cinco campos de futebol society, quadras de areia e, o mais importante, quatro campos de futebol de campo, um deles com o mesmo gramado do estádio do Parque do Sabiá. Tudo isso, além de um amplo estacionamento para associados e visitantes. Isso faz do CT Ninho do Periquito um dos melhores do país.

Vantagens extras que são diferenciais

Além de toda a estrutura esportiva que, encabeçada pelo Centro Nacional de Treinamento de Atletismo (CNTA) do Clube Sesi Gravatás, faz com que Uberlândia desponte no cenário esportivo mundial, e agora mais ainda, quando o mundo entra em contagem regressiva para os Jogos Olímpicos Rio 2016, a cidade dispõe também de outras vantagens que contam pontos na hora de atrair atletas e delegações estrangeiras, como, por exemplo, as áreas da saúde, hotelaria e transporte.
A começar pela localização geográfica do município, na região mais central do país – o Triângulo Mineiro -, o que facilita o deslocamento para outras regiões dentro do território nacional. Por exemplo, Uberlândia está a cerca de 900 km da capital fluminense, cidade sede das Olimpíadas de 2016, distância que de avião pode ser percorrida em pouco mais de uma hora. Nesse sentido, a cidade conta com o terceiro maior aeroporto de Minas Gerais, distante do centro apenas 8 km, com capacidade para operação de aeronaves de grande porte, como o Air Bus 320 e o B737-800, e por onde embarcam e desembarcam anualmente mais de 900 mil pessoas. Porém, tanto a capacidade de voos como de passageiros deve aumentar, tendo em vista o projeto de modernização e ampliação, cujas obras podem ter início a qualquer momento.
Há de se considerar também a infraestrutura na área da saúde. Nesse contexto, a cidade dispõe de uma excelente rede hospitalar, composta pelo Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia, um hospital municipal e uma ampla e eficiente rede privada, que faz uso de recursos modernos, contando, inclusive, com a telemedicina (tratamento de pacientes a distância). Tem, ainda, um hospital construído e estruturado especificamente para atender casos da ortopedia e traumatologia esportiva.
Outro fator favorável de Uberlândia é a rede hoteleira, que com mais de 5 mil leitos é atualmente a segunda maior do estado. Porém, até 2016, ano dos jogos olímpicos no Brasil, esse cenário deve mudar muito, tendo em vista as novas obras que estão em andamento e outras já planejadas. Em construção, podemos destacar a nova torre do Plaza Shopping Hotel que, depois de pronta, vai acrescentar cerca de 150 leitos ao total já existente.

O aeroporto de Uberlândia, por onde passam mais de 900 mil pessoas por ano